domingo, 1 de novembro de 2009

Vestindo você.

Chego em casa com você nos meus braços e vou vesti-lo enquanto você dorme. O ritmo das minhas mãos pelo seu corpo canta um amor doído de tanto. Busco seus braços, pernas, pescoço e cabeça com um cuidado silencioso que vela o seu sono, enquanto o meu pensamento voa além da sua pele para chegar ao futuro – não sem antes passear pelo que ficou para trás. O que me dói agora não importa: sou mãe. E é um amor impensado e impensante que conduz meus braços a tomá-lo de novo em direção à cama. Na casa quieta, gritam os meus medos e buracos. Dói o fantasma da minha própria ausência. Embora às vezes eu sinta que já falto, sim, quando voo para longe com o que não dou conta. Quisera eu ser uma mãe plena de mim, sem o peso de tantos desejos, sem a sombra medrosa de nunca mais ter um gosto real de família. Visto você de sonhos e força. E o protejo com o cobertor que me falta. Choro a falta de um colo, mas só depois de colocar você na cama. Antes de pensar ou sentir, sou sua mãe. Posso até não viver em mim, mas você vive. Antes de ser eu, sou mãe.

75 comentários:

EmLetras disse...

Por acaso cliquei aqui uma hora dessas de domingo, e pra variar me deparo com seu lindo toque de poesia ao falar do Francisco.

Lívia

Solange Maia disse...

Cristiana,

Ser mãe é ser sim essa grandeza mesmo quando estamos assim, meio desprovidas da gente mesmo, meio fragilizadas...

Mas em contrapartida há um amor que de tão grande quase enche tudo dentro da gente....

O outro pedaço acontece quando a gente nem sabe se vai mais acreditar...
Acontece.
Acontece sim...

Beijo grande,

Solange

# Paula # disse...

Cris,
Espero que vc encontre "colo" o quanto antes. Você merece ser muito amada.
Ótima semana para vc e Cisco.
Bjinhos, Paula.

cristina.brugnara disse...

Já vivi isto, com dois meninos muito pequenos, também viúva.
Fica tranquila, damos "conta".
Já foram 10 anos, dois lindões de 14 e 11 anos. Uma família de três.
Sou mãe, e não tenho colo.
Às vezes é triste, mas não reclamo.
Me satisfaz olhá-los e ver que estou conseguindo, mesmo sabendo que a figura paterna faria grande diferença.
Durma tranquila, curta seu feriado, faça um chá gelado, descanse.
Voc~e terá muito orgulho: de você mesma, por tudo o que conseguiu, mesmo que na dor.
Abraços

Renata Luciana disse...

Cris

esse tantinho de amor que você acalenta e dá calor é e sempre será seu e do Gui. Aguarda, que entre os dias e as noites, nossas páginas estão sendo escritas com o sabor do inesperado.
beijo pequena.

Ju disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ju disse...

Oi Cris, me permita a intimidade, pelas horas que passamos juntas nesse blog. Meu namorado acompanhou desde o começo essa jornada, falou da sua história e eu não me interessei a princípio, que frieza a minha. Ele virou um leitor sensível a sua história, no dia Globo repórter, ele me forçou a vê-la, novamente, e mais uma vez eu nem liguei.
Hoje estou aqui, em pleno feriado, devorando as experiências compartilhadas por você. Na verdade comecei na sexta-feira e terminei de ler o blog hoje. Lia, chorava, ria, refletia, tornava a ler. Acho que na época eu não tava preparada para lê-lo, hoje consegui absorver sua mensagem como um sinal para a mudança de vida. Estou em depressão há alguns meses, uma tristeza sem fim, e vi na sua história uma maneira de ver que nós temos problemas, mas que eles não podem nos engolir, porque somos seres fortes e temos a capacidade de lutar, de sonhar e de transpô-los. A sua luta foi triste, mas foi linda e o mais bonito do blog é ver como tudo fez de você uma pessoa incrível que inspira! Você cresceu em meio do desfavorável provando que a ter esperança vale a pena, embora a falta se faça presente, o amor é maior. Essa lição ficou: o amor só acrescenta! Espero que o meu amor pela vida seja tão puro e delicado quanto o seu!

vanessa lopes disse...

Olha querida, tudo é um estágio, um ciclo, uma fase,um dia que não sabemos qual, nem quando muda.
faz parte do aprendizado.
Fique bem.

Eraldo Paulino disse...

Ser pai, sobretudo um pai presente, nos me dá exatamente a noção do que você fala tão lindamente. Tudo o que somos após a paternidade é sermos coadjuvantes da história de nossos filhos. E ser um pai ou uma mãe feliz é ser plenamente satisfeito com essa verdade.

Pomar disse...

Ai, Cris... ser mãe é isso: lembrar de sê-la a todo o instante, mesmo quando não queríamos ser mais nada. Ser mãe é o que nos mantém vivas em determinados momentos da vida.
Hoje, dia de lembrar aqueles que nunca morrem dentro da gente.
Um beijo,
Sil.

Arturo disse...

Cris, seu coração nas pontas dos dedos me emocionam em muito. Te sigo pelas suas linhas e entre elas a tempos e peço, não pare. Siga! A medida em q vc se descobre, nos ajuda as nos vermos a nós mesmos. Bravo moça!!! Bjus sucesso e felicidades sempre!

Anna Bueno disse...

Tocante demais está seu post hoje. Me permiti até viajar na minha vida. Minha família hoje tb é constituída de 2 pessoas. Estou separada do pai da minha filha, não pela morte, mas pela vida. Dia desses minha filha fez um desenho de família na escola e éramos só ela e eu. Ela se desenhou muito feliz à ponto da professora me chamar e mostrar a diferença do desenho dela para o desenho do amiguinho que tem uma família nos moldes tradicionais e se desenhou pequenininho e chorando. Não importa o número de pessoas que compõe uma família e sim o repeito e amor que existe entre eles.
Não preciso dizer isso pra vc pq percebe-se que vc é uma pessoa para lá de esclarecida, mas se postou esse desabafo é pq precisa de uma confirmação. Sim, vc e Cisco são uma família.
Beijos!
Força e fé!

Erica Vittorazzi disse...

Ser mulher só não basta. Ser mãe sim! Porque não há amor maior!!!

Lindo, Cris!!

disse...

Cris, esse foi um dos posts que mais me emocionou. Estou com 12 semanas de uma gestação que me pegou de surpresa... e uma frase sua nesse texto (Antes de pensar ou sentir, sou sua mãe. Posso até não viver em mim, mas você vive. Antes de ser eu, sou mãe.) me tocou tão profundamente que de repente, tudo fez sentido. Pela primeira vez consegui me contectar com esse serzinho pulsante dentro de mim. Obrigada! Grande beijo! Catarina.

A Carta disse...

Há tempos eu leio o seu blog, assim, escondida. Sem nunca deixar aqui um elogio, um incentivo, ou um agradecimento.
Hoje, entretanto, me emocionei (de novo) com o tear das suas palavras. Foi um conforto ter alguém para compartilhar a falta que faz o gosto real de família, especialmente nesta noite. Mesmo não sendo mãe ou ter vivido tal perda como a sua.
Muito obrigada pela compania de hoje.

Marjozinha disse...

Oi Cris, td sempre tão delicado...Eu sou mãe, de duas crianças intensas. Meu menino tem 13. Minha menina, 9. Filhos de pais diferentes, de dois relacionamentos em que acreditei existirem até o último instante. Mas, enfim, a vida não quis assim. Somos três que se amam, três que se completam, se inventam, se divertem, somos amigos e parceiros em tudo. Muitas vezes deixo de ser a mãe para ser a filha. É o colo, que também não tenho, e muitas vezes preciso. Passo noites em claro pra cuidar como passaria numa festa. Porque meus "presentes de Deus" estão na minha frente, precisando de mim. Se Deus me confiou criar dois filhos, como poderia viver senão intensamente feliz e grata, por isso tudo? As famílias de hoje em dia são assim, renovadas, reinventadas, mas muito, muito sinceras e cúmplices. Um grande beijo pra vc e sua família!

... disse...

Nunca tinha parado pra pensar nisso, só sendo mãe mesmo, pra saber o que sentir. Agora posso saber o que minha mãe sentia. Até hoje ela nunca deixou de ser somente minha mãe.
mil bjuxx!!!

Zah disse...

Que lindo seu cuidado com ele, seu amor, seu carinho. Te desejo felicidades. Você ja tem uma família, olha só quantos comentários Cris, quantas pessoas que passam por aqui todos os dias para ter noticias do Cisco e de você. Queria poder brincar de carrinho com o Cisco, ouvir ele dizer que você vai trabalhar no "piquitador. Pra ganhar dindim", que gracinha.


Um beijo para vocês.

Layla Barlavento disse...

Cris, a força é tamanha que às vezes penso como foi que cheguei onde estou. Só o amor justifica. Apenas e ele e ao mesmo tempo TODO ele. E assim o travesseiro fica ensopado e mais um dia nasce. Aí começa tudo novamente...

Beijos na alma!
Layla Barlavento
http://culpadowalter.blogspot.com

Ana disse...

Querida Cris,
conheci teu blog hoje e já li inteiro. Você realmente soube RECOMEÇAR,ou melhor, CONTINUAR da melhor forma possível.
Estou em um caminho difícil há 1 ano e 11 meses, mas tenho meu Pequeno(marido) ao meu lado. Ele é muito bem humorado, assim como era seu Gui.
Mas agora você tem o seu Pequeno Francisco que vejo que faz seu coração se encher de força e alegria!
Adorei te conhecer e vou comprar seu livro o quanto antes!
A Nina postou uma historinhaminha no blog dela. Lá tem um pouquinho de mim. Beijos Ana Carla

Adriany Teixeira de Araújo disse...

Oi Cristina
Meu nome é Adriany, tenho 23 anos e vi seu blog no da Iana e resolvi ler... o Senhor então me tocou para lhe escrever sobre minha historia....

Há 10 anos meu pai se foi numa morte subta tb, deixou minha mae na epoca com 33 anos e tres filhos eu com 13, meus dois irmãos com 9 e 3... sabe tinha dias q eu axei que nunca mais veria minha mãe sorrir, ela perdeu o gosto pela casa, pela comida, por se cuidar mas naum perdeu o dom de ser mãe. O tempo foi passando e a ferida cicatrizando, não foi fácil cada noite que ouvia minha mae chorar sufocando o barulho para não ouvirmos mas na verdade eu ouvia... quando vc disse q precisava de colo creio q era isso q ela precisava tb...

Mas venho te dizer que há esperança para o ferido, sábado ela vai se casar novamente! Esta sorrindo feliz... e como é bom ve-la assim...

Cristina...
assim como Deus, o Pai de todas as coisas fez na vida da minha mãe, eu profetizo q fará na sua... dupla honra... dói... dói e muito mas Ele esta do seu lado!!!

OBS: Do Francisco Ele tem cuidado... e sempre cuidará....

No amor de Cristo Jesus...

vanessakellysalomao disse...

Cris, recebi hj um telefonema emocionado d uma amoiga que tinha descoberto seu blog, entrei e não tenho palavras, vivo um momento peculiar na minha vida e ver sua história me emocionou muito!
Parabéns, vc é maravilhosa!

Juli disse...

Cris, já escrevi aqui algumas vezes... Conheci seu blog (quando trabalhava no mercado publicitário aqui de BH) quando estava grávida e hoje minha pequena está com 1 ano e 4 meses. É mesmo um presente de Deus. É mesmo o maior e mais gostoso amor...
Só posso dizer que é inspirador e fortalecedor passar por aqui!
Sempre que estou triste, com algum problema, penso em você, penso na história da sua vida... História que você faz questão de escrever de uma forma iluminada. E pode ter certeza que você é iluminada por Deus! E essa luz é tão forte que chega, toca e faz diferença na vida de muita gente.
Que Deus continue iluminando e guiando você e o Francisco. Vocês formam uma linda família.
Beijos, Juli

Bruna disse...

Minha mãe me criou sozinha, viúva também. Lendo o que você escreve me dá um aperto no coração e sinto tanto dela ter passado por isso sozinha!
Espero que o Francisco possa te dar colo quando você sentir este vazio. Espero que ele cresça e sinta por você o imenso amor que você sente por ele.
Beijos!

Cris Tarcia disse...

Lindo texto, fiquei sabendo do seu blog quando vc foi no programa Brasil das Gerais, gostei muito

Um abraço

Tatiane Trajano disse...

Chegando por aqui pela primeira vez e já gostando muito.

Ser mãe é mesmo uma coisa de outro mundo.. O amor que não cabe em si de tão grande. ♥

Karla Maria disse...

Querida,
vc dá conta do recado com um amor e beleza como poucas mães, tenha certeza.
O amor a eles nos move e nos dá forças que a gente nem imagina que tem.
Bjs

Rafaela Marinheiro disse...

Encontrei seu blog Hoje. E me apaixonei por ele. As palavras são contidas de tantos sentimentos.
A perda de um ser amado é algo tão estranho. Mais é algo a se aceitar e continuar o jogo da vida. Perdi pessoas amadas, mais que felizmente passaram pela minha vida e muito me enssinaram.
Boa Sorte
bjus

Alba disse...

Estou estarrecida...
Com tanta poesia, uma mãe é assim,... intensa e profunda, embebida de tantos sentimentos.
... apenas um é grande, o suficiente a ponto de gritar!?!?! O de ser mãe!
Parabéns por tanta expressão e sentimento!

Adinha disse...

Vi sua reportagem na resvista "SELEÇÔES Reader's Digest"
Nossa Cris sua história além de linda, mesmo com essa tristeza, é tbm um exemplo de luta perserverança e nos prova q o amor ñ morre junto com a morte e sim pode se duplicar,se eu disser q estou chorando estarei mentindo,mas estou sim muito,mas muito feliz por saber q existe alguém q ama de verdade, hj sim aprendi q amor verdadeiro existe desejo do fundo do meu coração q vc e o Francisco sejam abençoados todos os dias por Deus e q viva na presente ausência do "GUI"...

Um abraço, pequena grande mulher!!

julianaescreve disse...

Como redatora nao posso deixar de comentar: que texto leeeeeeeeeendo!
:)

Marisa disse...

Ai Cris...Vc falou tudo,tudo que só quem é mãe entende. Antes se eu cortasse o dedo eu chorava,reclamava...Agora...eu lavo as mãos, coloco o bandaid e vou carregar o Anthony.Feliz por poder carregá-lo.
Um beijo

Larissa Terra disse...

Olá Cristiana,
Boa noite... você obviamente não me conhece, mas eu a conheci em junho de 2008, quando li sua matéria para revista Seleções. Desde então, guardo essa revista com muito carinho, pois em seu texto, apesar da grande dor pela qual passou, encontramos um lado de muita ternura e um amor imenso pelo seu marido e filho.
Assim, de tempos em tempos, me pego relendo o texto e devo confessar que sempre me emociono muito. Sempre tive vontade de lhe escrever, mas sabe como é a vida...os dias passam e acabamos deixando algumas coisas para trás. Hoje, finalmente, estou aqui, sentada em frente ao computador para repetir aquilo que o Gui um dia te disse:" Seu amor é tão bonito".
Cada vez que releio a matéria não choro por pena de você, pois você já demonstrou que é uma mulher forte, mas sim de alegria em saber que mesmo nos dias tão "modernos" de relacionamentos vis e esporádicos, existem pessoas como você e Gui que transformam pequenos momentos em infinitas alegrias.
Certamente Francisco quando começar a compreender o verdadeiro sentido das palavras ficará grato em poder ler este blog e ver quão amado e esperado ele sempre foi.
Por fim, tenha certeza, de lá onde o Gui está ele estará cantarolando a música de vocês, com imenso orgulho no coração.
Um beijo enorme! Fique com Deus!

Ana Maria disse...

oi cris! há alguns dias conheci(e enlouqueci) seu blog e hoje li este post lindo..., também tenho um FRANCISCO de 5 anos (que as vezes tb é chamado de fanquico, franquico,quico,fran...) e que faz minha vida melhor a cada dia. Tive um feeling com seu post, talvez por isto, ou sja lá o que for...tudo de bom pra vc e pro seu FRANCISCO!
abraço

Isabella MenSant! disse...

Lindo o teu cantinho... Mtu lindo mesmo a tua força de transformar um momento de dor em uma das coisas mais lindas, amor por um serzinho tão pequenininho que é capaz de mudar o mundo antes msm de estar nele.

Tenha certeza que todos os que visitam o blog tem um carinho especial pelo Franscisco e por ti.

tow te seguindo e sempre que puder venho aqui velar o sono do Francisco!

XeerOO

paranois3 disse...

lindo, como tudo que escreve.

Ana Carolina disse...

Bravo, Cris. Bravo.

F. Pigrizya disse...

Sem palavras...

Juliana Brina disse...

Ei, Cris,
Sou uma leitora anônima do Para Francisco. Outro dia, li um poema da Ana Martins Marques (uma poeta mineira) e me lembrei de você e do Francisco. Fica aqui o poema de presente pra vocês:

"Criança

Você veio para a vida.
Nela há coisas redondas
coisas de colorir
coisas de ser.

Há coisas de doer
e pensar
e patos e poemas e cidades
e a laranja e o mar.

Lugares varridos pelo sol
e nomes para quase todas as coisas
e coisas imensas sem nome
e imensas coisas de esquecer.

Coraçãozinho, coraçãozinho,
um bicho triste ficou alegre
quando você chegou."

Achei esse poema tão simples e bonito. E tão seu.
:)

Paula Lima disse...

Cris, Só posso lhe desejar que esses momentos de tristesa fiquem mais raros e que o Ser Mãe possa ficar junto com todo o resto que lhe cabe. Ser Mãe é a coisa mais maravilhosa do mundo e por si só, já preenche muito a nossa alma, mas ser feliz também é. E isso, já percebi que você merece, e muito!
Fique bem...
Beijos,
Paula

Leandro Capilluppi disse...

Liiindo! O silêncio perceptível é, REALMENTE, a gritaria dos nossos medos!
Paz!

pampolin disse...

Há crianças que tem os pais vivos dentro de casa e não os tem. Seu amor superará tudo.
Seres humanos como você deveriam multiplicar-se rapidamente
um beijo

Elaine disse...

Ha muito tempo eu não lia algo tão lindo, verdadeiro e profundo.

variandoa3 disse...

lindo demais... Peguei um trechinho pra colocar no meu blog, posso?!
Um beijo
Camile

Jan Alvim ♥ disse...

Eu amo seu blog... me põe pra cima, sim saber que existe pessoas transperentes, assim como você.
Amu tu e Francisco.
Que DEUS e o anjo protetor de seu amado amigo e companheiro estejam com vocês sempre !

Bjks. Jan Alvim♥

La disse...

Oi Cris, precisava passar por aqui para te dizer que seu livro é maravilhoso! Entrei por acaso no blog e disse a mim mesma que precisava do livro, na mesma semana passei na Saraiva do Shopping Eldorado aqui em São Paulo e comprei, em dois dias eu devorei o livro, acho linda a forma que voce trata a perda, de como voce consegue trasformar ela em presença constante para seu filho e com certeza estou no aguardo de Para Francisco 2!

Maryama* disse...

Ser mãe é uma grandiosidade tamanha.

Lulitas disse...

Cris,

Pra alegriar seu dia e do Cisco um tiquinho, ok? ;-)

http://www.youtube.com/watch?v=he5fpsmH_2g


REalmente Michael Jackson tinha razão qdo disse: quando vejo uma criança... eu vejo Deus!!!

Bjs e fiquem com Deus!!!

Cristiane disse...

Cristiana,

Seus textos me causam lágrimas de alívio e beleza.

Ser mãe é isso. Essa poesia que nasce do dia a dia, dos momentos mais repetitivos e simples.

Sou sua fã.
Beijo,
Cris

dani carrara disse...

Cris,
lindo seu texto...
acho que ser mãe plena de si, é isso, ter peso de tantos desejos, e assumir essa sombra medrosa que neste momento compartilho com vc...
ufa!
confessei (...) é difícil assumir isso plenamente, rs!
abs
dani

Maria dos Açores® disse...

Um beijo com muito amor para ti e para o Cisco

daysipires disse...

Cris, eu não sou mãe, e acho que estou longe disso, mas o seu texto tocou láááá no fundinho do meu coração...lindo demais...dá vontade de ler, reler, chorar, de ter um filho...

Um beijão, e todo o carinho do MUNDO p/ vcs 2!

Lindsay disse...

Boa noite,
Soube do seu blog por uma amiga. Em um mês de Janeiro perdi minha família e fiquei com o meu irmão menor para criar.
Gostei da idéia do blog. Acho importante. O passado realmente dói mas é preciso viver além dele. As lembranças boas vão ficar com certeza e as vezes a saudade realmente vai bater.
Seu filho vai lhe ensinar muita coisa. É um presente do cosmo pra vc. Curta isso.

bjs e fique na paz

Lindsay

disse...

Estou no aeroporto e meu voo está atrasado, paro numa dessas livrarias dentro da parte de embarque e folheio alegre dezenas de livros. O dia está bonito, não tem como ser diferente, cada vez que viajamos é como se acrescentássemos mais de nós mesmos à nossa própria receita.
E teve aquele tal livro de capa branca, com um título simplório até demais, mas me encucou e eu, quando encucada, sou o terror. Folheei e vi fotos e chorei nos cinco minutos que antecediam o embarque. Anotei o blog, compartilhei dos teus sentimentos, quis te dar um abraço gostoso porque tu merecias uma coisa bonita, que eu ainda não sei como se chama, mas tenho vontade de dar.
Isso foi apenas ontem e desde então alguns anos se passaram, Cisco cresceu e eu estou aqui pra dizer que, assim como todos nós, ele vai ser feliz e vai ser triste, que os dias não vão esperar por ele e que o ócio lhe fará sentir uma angústia sem medida. Mas ele vai ter muita história pra contar, depois que ele ler toda ela. Então, que o amor da Cris seja pra ti, Cisco, um eterno amanhecer.

Celo Velloso disse...

Parabéns pelo blog. Eu perdi minha mãe com 20 anos. Foi muito difícil. Depois perdi meu melhor amigo. É complicado mesmo lidar com a perda. Li a matéria na "Vida Simples". Força!

artesevidadecasada disse...

Que coisa emocionante é esse seu blog? Aff... transformar dor em arte é uma das cisas mais lindas que um ser humano é capaz de fazer. Parabéns!

Sally Brown disse...

Demorei para ler seu livro, mas, felizmente, eu o descobri a tempo. Fico pensando em todas as preciosidades que a gente perde com o tempo, como vc tão bem diz, de forma absolutamente comovente. Mas, veja só, dos tesouros que ganhamos, como o seu Francisco: quase morri há 2 semanas, e não por isso, mas por coincidência, ontem comecei a lê-la - sem parar. Obrigada por compartilhar sua dor com tanta sensibilidade. É exatamente como vc diz: a dor, quando se compartilha, também se dilui. Quem escreve tem a felicidade de poder usar as palavras pra isso. Um beijo bom pra vc e seu filho e que vcs tenham muita saúde e muitas surpresas boas pela vida, juntos. Parabéns pela sua força, superação e talento: para escrever e para amar, dons tão raros. Com muito carinho, Fabi

Cris, errante... disse...

Cris, encontrei esse seu cantinho ontem. Lindo, sensível, humano, emocionante.
Parabéns pela força, pelos textos, pelo Gui e pelo Francisco.
Com carinho, Cris.

Gisele Barroso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gisele Barroso disse...

Oi Cris,
acompanho seu blog há algum tempo e gosto muito do que vc escreve, te admiro e me identifico com suas palavras. Ontem fiz aniversário e ganhei seu livro: Para Francisco, de presente do meu noivo. É maravilhoso! Tudo de bom! Parabéns pela coragem, pelo sucesso, pelo filho maravilhoso, por tudo que vc é e faz! Vc é uma guerreira, um exemplo e te lendo sinto vontade de voltar a escrever.

Deus te abençoe sempre!
Beijo grande
Gi

Nina Fiuza disse...

A gente veste a maternidade como a uma capa de super herói. Ficamos repletas de forças e coragens... não é mesmo?

Bioca disse...

Cris,
Vi uma entrevista sua onde você dizia que a palavra mais bonita da nossa língua era "melancolia". Não pelo sentido da palavra, mas pela sonoridade, por ter um pouco de "mel"...E é exatamente assim que eu sinto os seus textos. Uma lânguida melancolia com muito, muito mel. Você toca fundo!
Mil beijos,

Ka&Ti disse...

Cris,

o Francisco tem muita sorte de ter uma mãe como vc...

Eu, como mãe, te admiro infinitamente. Se todas as mães tivessem um terço da sua força, criariamos uma geração de bons seres humanos.
Parabens.

bjos
Katy

Márcia disse...

Que texto mais lindo! Que Deus proteja vc e seu filho e lhe dê forças e saúde para criá-lo com todo esse amor que é próprio das mães.
Márcia G.

Raquel Oliveira disse...

Esse amor é enorme e trará toda a proteção.
Eu estou encantada com o livro e como ele está em algumas partes tão presente em um pedacinho da minha vida.
Você é iluminada pessoa e nada na nossa vida fica sem explicação.
Fique na luz e busque cada dia mais amor.
Com carinho.
bjos

KG disse...

Cris,
sempre lindas palavras para descrever sutis momentos pelos quais, nós (pais) passamos!
Confesso que renovo meu jeito de ler e escrever a cada nova escrita sua...
Obrigado!

Ana disse...

Primeiro deixa eu falar que te admiro bastante, acho que assisti uma entrevista sua no Sem Censura (era você mesma, né?).
Achei seu blog por acaso nos links de alguém que eu estava visitando...

Segundo, a forma como você fala em ser mãe, em ser humana, em ser mulher talvez seja a forma mais delicadamente real e possível que eu já vi. (Mesmo de longe).

Beijos e boa semana.
Beijo pro Francisco também!

Keka Designs disse...

Parabens pelo lindo Blog.... força sermpre... "Antes de ser eu, sou mãe."

J.Mattos disse...

Primeira vez que venho aqui. Vi o livro. Sensacional. Amor de dedicação integral. Admiro isso.
Quero te convidar para passar no meu canto. É para alguém também. O nome não importa. Costumo dizer que tudo o que está lá já mora em mim.

http://palavrasdeontem.blogspot.com/

Abraços.

J.Mattos

Camila disse...

Já tinha visitado o seu blog e me emocionado. E me deparei com alguma mãe recomendando de novo seu blog, para novamente você me levar às lágrimas com suas palavras. Sou fã da sua força e da forma como você expressa seus sentimentos. Que sorte o Francisco tem.

EmLetras disse...

Cris,

Olha você e o Para Francisco lá na Vida Simples de dezembro: http://vidasimples.abril.com.br/edicoes/086/atitude/conteudo_514369.shtml

Silvana disse...

Descobri o seu blog hoje, e pela falta de tempo pude ler o inicio dele e alguns posts finais.
Me emocionei no ja no primeiro paragrafo, e após respirar um pouco que pensei em te deixar algo escrito.
é impossivel não se emocionar pela forma como voce escreve... e com que paixão escreve... Acredito que não tenh auma pessoa que não se emocione ou pare pra refletir realmente sobre a vida após ler apenas um dos seus posts, ou o pq dele.
Não te conheço, soube do seu blog atravez de um fotolog mas te admiro. Como mãe e como mulher, pouquissimas pessoas tem o dom de enxergar certas coisas como você, com a sua paixão e vontade.
beijoos pra voce e para o Francisco.

Celular Espião disse...

http://www.celularespiao.org
Conheça o celular Espião. A nova coqueluche da espionagem. Com ele você realiza a sua escuta de celular de forma legal e sem complicações. Monitore quem você quiser com ele. Acesse nosso site e conheça.
Serviço muito simples, um aplicativo fica oculto rodando em celulares com S.O. Symbian, gravando tudo no cartão SD, e posteriormente transferida para o pc, ou silenciosamente enviando dados pela rede 3G ou Edge. Com qualidade, pode-se gravar muitas horas. É claro que apenas as ligações serão gravadas, mas basicamente poder-se gravar tudo, já que ele fica oculto no sistema,

Matheus N. disse...

E você sabe ser. Viva Francisco :*

Olá, me chamo Patrícia Ruck disse...

Realmente prazeroso e comovente ler seus textos, e como mãe, me encontrei nesta sua postagem "Vestindo você".
Encontrarás o colo que tu necessitas sendo esta mãe zelosa que tenho certeza que és.
Obrigada por compartilhar teus sentimentos conosco e saibas que me encontrei em vários deles e acredito que outras pessoas também se encontrem...o bom é que nunca estamos sós, né? ;o)
Parabéns e um abração enorme para você e para o Canquico.
Patrícia (mãe) e Manuella (minha filhota)