sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Sonhos e retirantes.

Fui assistir ao filme sobre a história do Lula e, de sua vinda do sertão de Pernambuco até a trajetória como líder de sindicato, só consegui me colocar na pele da mãe dele.

Você mudou todo o foco, filho. Em tudo e a todo momento fala mais alto esse amor desmedido que muda o olhar da gente.

Enquanto assistia, não julgava o filme bom ou ruim. Vi com um coração mole de mãe, mole de grande. Um coração de quem se interessa mais pelas histórias particulares que estão por trás do que parece grande. Foi bonito descobrir que uma viuvez precoce empurrou o Lula para uma liderança de sindicato.

Com essa miopia bonita que é feita de amor, vi um Lula crescendo e se tornando outro, e outro, e outro, outro depois de outro. Pensei em quantos você já foi, em tão pouco tempo.

Pensei nesses tantos que na vida somos todos.

E no meu pensamento de mãe, que entre outros sonhos quer um mundo perfeito onde o filho esteja a salvo de tudo, sonhei com o encontro dessas pessoas que somos e fomos, com as pessoas várias que não puderam nos ver assim, melhores como somos hoje. Sonhei uma desordem generosa de tempos.

Estar com minha mãe. Não mais mãe e filha: duas mães, ou duas filhas, para quem a vida contou, em tempos diferentes, histórias parecidas. Teríamos muito o que conversar. E ela apertaria as suas bochechas. E eu veria o quanto vocês são fisicamente parecidos.

Um jantar do último que meu pai foi com aquela que sou agora. Eu perguntaria sobre o mundo. Ele comentaria a roupa de alguém. Haveria a hora do silêncio e a das piadas inteligentes. E o momento de me levantar da mesa e me sentar no colo dele, na tentativa de dizer que compreendo.

Sonhei até com o meu avô, de quem eu me escondia por trás da boneca. Mas era o meu avô jovem, amigo íntimo de JK. Eu olharia nos olhos dele, em gratidão por sua escrita. E confessaria: ainda que muito depois de sua ida, o tempo arrumou um jeito de ele ficar em mim. Ao final do encontro, eu pediria pra conhecer Juscelino — dos netos, sou a única que não o fez.

Para minha avó Juju, contaria piadas e notícias novas. Daria mais risadas e abraços, sem ansiedade para lhe mostrar nada – ela já sabia de tudo.

Nos olhos de minha avó Dorinha, que nesse encontro estariam de novo enxergando bem, olharia para dizer da minha surpresa: eu, que em nada me assemelhava a ela, vi desabar em mim destino idêntico. E trocaríamos ideias e dores, num exercício de desabafo e riso. Eu ouviria suas lições com um afeto diferente.

Sonhei também longas noites de conversas com seu pai e, claro, você pertinho de nós. Em algumas delas, você dormiria para que pudéssemos olhar longamente nos olhos um do outro, mãos dadas e música na sala. Haveria, sim, uma ou mais manhãs do dia seguinte, quem sabe um dia inteiro no parque, Tiradentes ou uma esticada até a praia. Eu ouviria suas vozes misturadas e ficaria deliciosamente confusa. Você pediria cócegas e ele faria as melhores do mundo — nunca mais você pediria as minhas. Em algum momento ele falaria de um certo orgulho de mim. De como eu mudei. Comentaria as minhas fotos de modelo, inflando o peito diante dos amigos e, sedutor, sugeriria uma foto com blusa transparente. Não posso dizer que parei nesse sonho porque ele não cessou.

E enquanto eu tentava voltar de longe, a luz se acendeu e o letreiro passou comprido, para que eu pudesse me situar. Fim do filme. Recomeço da vida possível.

Corri para casa. Em sua cama, você esperava por mim. Real, possível e melhor que qualquer sonho.

53 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Ah, moça, bem te entendo.
Depois que fui mãe, fiquei tão solidária com a tristeza e alegrias de outras que também o são.

Obrigada por sua autorização para postar o poema no blog.
Tá aqui ó:

http://incongruentelisura.blogspot.com/2009/12/cantiga-para-ninar-meu-filho.html

Beijo!

Paula K. disse...

Oi Cris!
Passei num concurso público e estou preparando minha mudança (de SP) para RN (Natal). Ontem estava na parte dos livros. Lembrei de uma campanha que uma rede de drogarias está fazendo por aqui e separei vários livros. Mas qdo peguei o seu, comecei a me lembrar de qta emoção ele me trouxe, de qta verdade vc colocou ali, de como eu me apaixonei pela sua sinceridade e esse mundo de blogs depois que te conheci pelo "para Francisco". Pronto. Decidi levá-lo comigo para relê-lo antes de assistir o Para Francisco filme, que está por vir, né?
Bjinhos, Paula.

Thaís disse...

Quanta sensibilidade!Cris...suas palavras são doces,leves!

Linda!!

Beijinhos!!

Thaís M M

Renata Luciana disse...

a tua trajetória, o túnel, o tempo. Tempo das memórias, tempo de ver e rever. A tua maturidade nesse ir e vir, o Cisco virando Francisco e as muitas cenas que ainda estão para serem rodadas. Gravandooooooooooo!!!!

Bárbara disse...

Cris, vc consegue expressar em meio a tantos pensamentos que poderiam ser confusos , explicar tudo tão claramente que mesmo sem a conhece-la pessoalmente pude como no livro viajar e pensar jun to.
Obrigada.
Bjo

Laura Friche de Oliveira disse...

Cada vez mais lindo.
...

Luciane disse...

Cris,
Também fui assistir ao filme, porém, levei minha mãe e minha filha. Assim como você nosso foco foi na Dª Lidu, e pude entender de onde nós, que somos mães, tiramos tanta força, mesmo nos momentos onde a gente pensa que será impossível vencer as dificuldades. Então, me lembrei de uma frase que um missionário me disse certa vez em um momento de grande dificuldade:"Deus não dá nada que nossos braços não consigam abraçar" e eu, depois disso compreendo que, para nossos filhos, nossos braços sempre serão capazes de abraçar o mundo se preciso for para que possamos aconchegá-los!
Lindo seu texto.
Abraços,
Luciane/Goiânia

Ju disse...

e vc fez um roteiro novo de uma outra história tbm tão bonita
=)

Julia Dias disse...

Vc me faz pensar tanto...

Lange Pinheiro disse...

Hoje uma amiga me comentou sobre o seu blog. Ela estava com o livro nas mãos e disse que me emprestaria... Pensei, melhor não. A história é muito linda. Não posso me emocionar mais do que estou atualmente, vou lembrar e morrer de tanta saudades dos meus três filhos. Eles em BH e eu aqui no RJ, trabalhando e morrendo. Aos poucos.

Lange Pinheiro disse...

Lá estão eles... http://quintalevaranda.blogspot.com/2009/10/um-dia-voce-vai-mudar_07.html
http://quintalevaranda.blogspot.com/2009/07/listras.html
... e junto, a minha culpa por estar longe.

Lu Loureiro disse...

Aconteceu mais ou menos isso comigo quando eu li "feliz ano velho" ... eu so pensava na mae do marcelo ...

Ju disse...

Simplesmente perfeito. Adoro ler vc.
Beijos e um excelente fim de semana. Vc é muito especial.

Sonica disse...

Ainda estou relutante em ver o filme...
Excelente comentário, parabéns!!!
bj

Juliana disse...

Querida Cris,leio diariamente seus blogs, nunca comentei,nem sei dizer porque.O que posso lhe dizer é que vivo hoje o pior momento da minha vida,perdi meu amado bebe no oitavo mes de gravidez.Passado um tempo,consegui ao menos voltar a internet e ver que a vida continua sempre continua.Com a sua ajuda, mesmo virtual vou me reerguendo,com o Para Francisco, me identifico,vejo em algumas frases suas dor, uma dor e uma saudade difernetes mas que muitas vezes traduzem meus sentimentos.No Hoje Vou Assim , vejo uma pessoa que viu que é possível sorrir novamente, e tento a minha maneira encontrar também esse caminho,nem que seja ao menos pintando as unhas com uma cor de esmalte , sugestão sua.Vejo que há 2 lados, e com vc tenho tentado percorrer esse caminho.Ontem fez 7 meses que meu pequeno se foi, e hoje não me agunetei e falei.Palavras que me vem da alma, enfim obrigada, bjos Juliana.

Solange Maia disse...

Cris,

obrigada por suas palavras... por essas e tantas outras..

Te ler é procurar, é encontrar, é me perder, e me achar....

tudo cabe como uma luva....
sempre.

Bom 2010 !

beijo

Mariana disse...

Ola, hj é a minha primeira vez aqui no blog e me apaixonei..me entreguei em meio a palavras e sentimentos, me reconheci em algumas de suas faces e me deixei admirar pela sua luta diante do assombro..eu so posso dizer parabéns..e agradece-la por me mostrar mais uma vez que Vale a Pena..tb tenho uma filha de 4 meses..minha vida..meu mundo

Jo disse...

Faz um tempo que acompanho seus blogs, mas éa primeira vez que comento. Comecei pelo Hoje vou Assim e descobri este um tempo depois.O outro eu aprecio muito, porque mostra uma pessoa "além" das roupas (eu sinto assim),mas este é meu preferido...É tão verdadeiro e lindo!!Conforta minha alma(ansiosa para ser mãe)e de tantas outras pessoas de formas diferentes através desse sentimento universal =AMOR.
Esse blog é puro amor e por isso toca tantas pessoas...
OBRIGADA CRIS!

Marta disse...

Sem palavras, Cris. Sei exatamente do que vc está falando!

priks1626 disse...

Me emociono sempre com vc!! Que Deus te abençoe, vc é mto especial...

Bia Azevedo disse...

Faço minhas as palavras de outra pessoa que comentou. Seu blog é puro amor. Aproveite o sonho que é ter a vidinha do Francisco em sua vida. Vida em minha vida, é como eu sinto a existência do meu filho. E sinto de forma tão intensa, por muitas vezes neurótica, cheia de medos, expectativas, cansada, que por vezes sou uma mãe menos que boa, sinto até que o sou por obrigação e isto me entristece. Só que apesar de todo este lado angustiante ainda assim não me sinto menos mãe, é por isto que me identifico com o que você escreve. Um ótimo ano pra você e seu pequeno. Beatriz, mãe do João Ricardo, 2 anos e 5 meses, Sao Paulo.

KG disse...

Sim, sonhamos com um futuro bom para os nossos... O homem é feito de sonhos e mudanças; talvez se torne aquilo que outrora criticava; talvez não. Mudei, mudamos; para melhor, talvez não... Mas o importante é que mudamos e, se mudamos, de uma forma ou outra crescemos!
Penso muito no "necessário"; as coisas acontecem pq são necessárias... Digamos que "estavam no caminho"... Assim, acho que todas as mudanças, ainda que não concordemos com elas, são boas! Pelo menos acredito...

cris disse...

Lindo texto,filhos sao presentes eternos.

Dani disse...

Se algumas vidas formam um círculo perfeito, outras são modeladas nem sempre compreensíveis.
A perda faz parte da minha jornada, mas também me mostrou o que é precioso.


[filme Uma Carta de Amor]

Tonia Albuquerque disse...

Olá amiga blogueira,parabéns pelo seu lindo blogue.
Gostaria que vc conhecesse meu novo cantinho (www.millugaresparavisitar.blogspot.com), não sei vc já visitou o meu outro (www.mulheres-sarl.blogspot.com)
Sou nova na blogagem, pois estou apenas 1 ano na rede, mas gosto muito, caso vc visite deixe uma mensagem, é importante saber que nosso trabalho está sendo apreciado ou não

Abs,

Antonia Albuquerque

Cecília Marcelino disse...

É sério... eu tive que me lembrar de respirar ao ler este texto.
Extraordinário!

caminhando e cantando disse...

clap, clap, clap...
texto digno de aplausos e publicações... deveria ser lido no Jornal Nacional ou no Fantastico, com direito a ilustrações, talvez da Jana.
Te admiro muito... fico viajando nessas suas historias maravilhosas...
beijos
Dailce Lima

Ninoca disse...

Olá Cris!
Acompanho seu blog há algum tempo e coincidiu com a minha maternidade. Você consegue trancrever sentimentos que são da maioria das mães no mundo. Por causa do seu blog criei coragem para fazer um para a minha filha. Você me fez perceber que o tempo realmente passa rápido e daqui há alguns anos, quando ela me perguntar como era quando ela era bebê, vai estar tudo registrado. Obrigada pela inspiração!

Layla Barlavento disse...

Menina, como é bom e intenso vir por aqui. Sempre me destruo e reconstruo com suas palavras.

Beijos na alma!
Layla Barlavento
culpadowalter.blogspot.com

Larissa Silva disse...

Cris,
Sua escrita tem vida, profundidade e poesia. Li o livro "Para Francisco" e creio que você poderia fazer o II... gostaria muito de ter mais um belo trabalho seu em mãos para ler.
Parabéns pela arte com verdade!!!
Um beijo,
Larissa Silva
São Paulo / SP
larissapartner@gmail.com

Luana disse...

Cris, descobri você há pouco tempo. Mas não sei como nutro uma verdadeira admiração por você, pela sua força. Comecei a ler o blog do começo e hoje cheguei aqui, chorei como criança, ri e também senti sua alegria! Você me fez bem, nunca passei por algo parecido, mas digo que é lindo de ver sua força e garra, ver literalmente sua evolução. E constatar mais uma vez que a vida não pára nunca, e nem deve parar. Te desejo o melhor, sempre!

Danielle disse...

Demoro a vir aqui, e nem me surpreendo pois sei que sempre que venho só encontro emoção, uma leitura deliciosa, envolvente que SEMPRE me leva às lágrimas, parabéns de novo, bjos Dani

Raquel Eccard disse...

Oi Cris! sempre que leio o Para Francisco me emociono... e rio, e choro e me pergunto se um dia vou amar tanto assim! Simplesmente amo e admiro seus blogs, em especial o Para Francisco que nasceu de maneira tao dolorida mas que hoje tenho certeza que serve de inspiraçao para tantas pessoas!! Chorei demais quando li a primeira vez e sempre q volto nao tem como nao ser tocada por suas palavras sabiamente colcadas juntas nos brindando com seus textos otimos, de verdade, de coraçao. Quero te dar os parabens pelo que fez num momento de dor e mostrar minha admiraçao pela volta por cima que voce deu em nome do seu filho. Ah, e nao vou esquecer o Hoje vou Assim, fofo, lindo, criativo... Adoro as composiçoes que vc faz e as ilustraçoes da Jana, ainda mais fofo, lindo, criativo... PARABENS!!
Sou carioca e vim p BH a trabalho ha pouco tempo. Agora gosto mais ainda dos blogs pois vivo no cenario de suas historias. Adoro! rs
Bjo

www.supersafadas.net disse...

acesse http://www.supersafadas.net o maior site de conteudo porno do Brasil já invadindo os outros continentes

AdriB. disse...

Adorável como sempre!
E me fez refletir, como sempre!

Marina disse...

http://www.celularnokia.org Fórum com dicas sobre celulares da marca Nokia. Você fica conheçendo os modelos atuais e também celulares espiões. Aonde comprar o seu celular, toques polifonicos, configurações, gps, navegação e muito mais.

Julia Dias disse...

Oi querida, não sei se você verá esse comentário mas queria te agradecer pelo autógrafo no seu livro. Saiba que tenho muito carinho por você.
Bjos da nossa família inteira!!
Julia, Luís e Felipe

Luiz Felipe Leal disse...

Ah! Esse foi um relato tao lindo e sincero, a crise das nossas conjecturas sao eternas, uma síndrome do 'se'. Me marcou profundamente perceber a força das suas hipóteses que sao quase uma confissao de que os olhos permanecem abertos pra vida que chama fora, e pra vida que chama dentro.

A verdade é que ambas sao reais.

Um abraço forte.

maria aparecida de souza disse...

oi cris,meu nome é cida,em suas palavras de mãe,vi o coraçao da minha mãe,que ja não esta mais aqui,um câncer a levou a 8 meses, parabéns pelo lindo blogger beijos

carol disse...

Lindo como sempre....

Fraaaaan * disse...

Oii
bom,nao lembro como achei um de seus blogs, o Hoje Vou Assim, mas faz pouquinho tempo. Dele vim para cá e, de início e sem entender muito bem, vi primeiro o livro e achei que se tratava de uma história fictícia. Desculpa por isso. Tenho mania de sempre ver o primeiro post dos blogs que visito e nao foi diferente com o seu. Aí entao percebi do que realmente se tratava esse espaço. Nao o li inteiro ainda, mas quero faze-lo. Em cada postagem meus sentimentos se misturam, é estranho. Aquela primeira foto sua com o Francisco, bem la atras, me emocionou de tal maneira que devo ter ficado uns 15 min. admirando-a, tamanha sua beleza. Acredito que cada pessoa que visita teu blog se sente envolvida no teu universo. Bom, comigo foi assim, e tenho certeza que ele passou a fazer parte da minha vida e dos meus assuntos com meus amigos. Nossa via é feita de lados, prismas, vértices, e nao diferente é seu blog e acredito que sua história. Isso aqui é lindo, confortável, cheio de amor pintado sobre uma dor transformada em poesia. Sei que voce já tem bastante, mas te desejo força. Voce ja recebeu vários, mas te dou mais um parabéns. Beijo, da mais nova conhecedora, admiradora e leitora de sua história. :)

Madame Maura disse...

Cris,

Eu nunca tinha me dado ao trabalho de entrar neste seu "outro" blog e ler seus textos. E mesmo no blog de moda eu raramente entro. Sempre me sinto incomodada com uma intensidade de informações visuais que me parecem excessivas, talvez por serem todas as coisas tão belas e tão frequentes.
Mas hoje, acaso ou sorte, entrei aqui e li bastante. Quanta delicadeza, suavidade na sua escrita. Ao mesmo tempo, quanta dor você ousou exorcizar com ajuda de palavras e de uma maneira nada superficial. Certamente você ouve isto todos os dias de pessoas muito mais qualificadas do que eu, mas você é verdadeiramente uma grande escritora.

Beijos

Amanda disse...

Cris, a doçura das suas palavras encanta a todos. Obrigada

Fer em reconstrução disse...

Bom dia, Cris!

Invadi seu mundo esses dias, aliás, “seus mundos”!
É estranho e natural, da forma como você se abriu acho que os leitores se sentem incluídos na sua história.
Só vim dizer que, depois de ler todas as postagens, fiquei feliz demais vendo como você supera, e ao mesmo tempo conserva o lado doce de tudo isso...
Ah, e eu sou casada com um Gui, e encontrei várias semelhanças de personalidade... será que é do nome? Rs!
Fiquei curiosa sobre o que vai rolar no blog pó de pirlimpimpim – se é que vai rolar!
Beijo!

Tati Campêlo disse...

Estou divulgando meu novo blog
www.gastronomiaefotografia.blogspot.com
Se puder da uma passada lá!

Atenciosamente
Tati

Thais disse...

Cris,
A sua fonte não esgota. É impressionante tanta boniteza assim sair de uma pessoinha só.
Beijo grande,
Thaís - Tatá

Cele disse...

Cristina,

Encontrei seu blog já tem algum tempo. Caí aqui sem querer, mas li tudo, com voracidade, com uma intensidade enorme. Chorei com você suas lágrimas. Reli sua história desde o começo e vejo que a dor arrefeceu.

No dia 20/01/2010, meu marido sofreu um grave acidente de carro e morreu, deixando-me com dois filhos pequenos (um de 3 anos e outro de 1 ano). Desde então, entro aqui quase que diariamente pra me encontrar, pra chorar e pra viver a dor que agora é minha também.

Você não me conhece, mas eu preciso te agradecer por partilhar.

JanuskieZ disse...

Hi... Looking ways to market your blog? try this: http://bit.ly/instantvisitors

trintaequatropalavras disse...

Cris! Menina, todo dia entro aqui na esperança de um post novo. Como assim? Para Francisco vai virar filme? Se for verdade, separe seu Armani para a premiação do Oscar. rs. O mundo tá precisando de histórias leves, amorosas e positivas!
Um grande e imenso beijo em você e Cisco

Juliana Lotério disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliana Lotério disse...

Cris, sinto-me privilegiada por ter descoberto este espaço.
Fiquei encantada com sua história e com a maneira que vc leva sua vida, mesmo depois de tantas perdas enfim, momentos dificeis de lutas que hoje, vc venceu e veem vencendo.
Mulheres como vc, são especiais, guerreiras, (no seu caso teu nome já diz.. rs).
No mesmo dia comprei o livro e ontem, ao chegar, parei de fazer tudo o que estava fazendo e só parei quando terminou a ultima página. Quantas lágrimas, quanta emoção, quanto encantamento, quanta vontade de ter pessoas como vc, fazendo parte da minha vida.
Eu entrei no seu mundo por algumas horas e viajei, como se Você, o Gui e o Francisco já fizessem parte da minha vida. Sofri com a sua perda, porque vc não fez só o Cisco amaar e admirar seu grande amor, mais também fez com que nós, leitores, compreendesse tamanho amor que vc sentiu pelo "O CARA" que foi justamente recíproco pela "GRANDE MULHER" que é você, Cris.
Hoje mesmo me encarreguei de comprar mais dois livros, quero presentiar duas amigas que precisam saber que nesse mundo, ainda existem pessoas fortes que conseguem sim, dar a volta por cima como você.
A partir de ontem vc fará parte das minhas horações, sinto-me as vezes como já te conhecesse.. rs.
Parabéns, de verdade.. vc é íncrivel.
Tenho certeza que seu bem maior, Cisto, terá imenso orgulho de saber o quanto Ele foi comtemplado com a mãe que tem que é você.
Muitas felicidades, muito amor pra vc e seu pequeno e saúde, pra que vocês vivam muitos momentos incomparáveis, vocês merecem!
Um grande beijo, Juliana! ;)

Laurynha disse...

Cris, sou belo-horizontina, mais moro a quatro horas dai. eu sinto falta dessa cidade, mais você matou minha saudade, li seu Blog em 3 dias, e me identifiquei muito com você em muitas partes, principalmente nos sentimentos, estilo e musicas. Fico feliz por você estar bem ja. Acompanhei sua recuperação tao perfeita. Perder uma pessoa é tao difícil, mais você se saiu bem, e seu filho deve se orgulhar muito. !!

Laura campos

Daiane Andrade disse...

Ainda choro quando leio suas postagens, mas é um choro manso, entre sorrisos... que bom que você percebe que apesar dos sonnhos utópicos, existem um real lindo... bjos