quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Absoluta.

Calhou que para mim não veio coisa fácil. Desde sempre foi assim. Uma sensação de estar só, um sentimento de não ser. Até entender que eu estava mesmo era em minha boa companhia. Mas ela se ausenta, vez por outra. E assim se seguiu a vida: a me mostrar que eu não iria pela boa e velha estrada. Eu pegaria os atalhos. Às vezes me pego querendo ser como, querendo ser que nem. Mas quando chego perto, descubro um todo mundo tão igual. No desejo de ser e não ser, de ir e não ir, na vontade de ser livre. No não saber o que é ser livre. Não saber o que é – um não saber. Tem hora que eu penso ter medo do que não sei. Depois eu me lembro: o que me dá medo mesmo é ter certeza. Que a minha sede é de vida e eu nasci agora há pouco.

38 comentários:

Bruna disse...

Desde sempre foi assim pra mim também. A sensação de estar só e o sentimento de não ser.
Nasci no dia 22 de março, 28 anos e um dia depois do Francisco. :)
Meu pai também morreu sem que eu o conhecesse, e eu tinha pouco mais de 3 anos.

No fundo, todos somos iguais mesmo.

Quanto ao Francisco, ele vai ser o maior fã do pai dele, assim como você é. Mas ele vai ser apaixonado mesmo é por você. Não se assuste quando ele disser que sente "ausência" ao invés de sentir "falta" do pai. É isso mesmo o que ele vai sentir. E ausência não é ruim, é apenas o espaço vazio desconhecido.

E o Francisco Cris, vai ser a criança mais feliz que você já conheceu. Isso eu te garanto por conhecimento de causa. Tudo culpa sua, obviamente! :)

Beijos.

Bee disse...

Acho que todos em algum momento da vida nos sentimos assim.
Mas mesmo que se sinta dessa maneira, você é muito mais guerreira do que pensa ser.
E isso dá pra ver de longe, só pela essência.
:)
Beijos

Olho de Lince disse...

Tão bonito... É notável a forma como escreves.

Mari disse...

Cris...

vc smp nos enchendo de interrogações né??? rsrsrsrs... Mas é gostoso, seus textos são smp ótimos!!!

Grande abraço em vc e no Francisco

Teca disse...

vc É escritora. que texto lindo.

Pri... disse...

Tão bom não sentir-me o único E.T. do universo... rsrsrs Tb me sinto assim: sozinha e com sede de vida! Linda é a forma como vc conta sobre isso. Muita vida pra vc! :-)

Nina disse...

Todos temos essas insegurancas, é normal... o que não é tão normal e comum assim é essa tua forma de escrever tão bonita e tão leve.

Que Deus te mantenha assim.

.duas doses de desdém disse...

Lindo! Palmas pra ti!! eu tb vejo todo mundo tão igual, ainda bem que vc existe!

:)

Pés descalços disse...

Só passei aqui hj para dizer que sempre lembro de vc e da sua história, e quando acontece algo que me deixa irritada ou desanimada, lembro que vc existe, lembro da sua força, da sua coragem..
Tenho 2 filhos, um de 5 anos e um de 10 anos. O meu filhote de 10 anos só tem um rim, e este rim possui uma hidronefrose, por isso, constantemente ele faz exames muitos dolorosos, nestas horas, me revolto, "brigo com Deus", acho que foi culpa minha, mas da última vez que fui acompanhá-lo a um exame, pensei tanto em vc, na tua luta, força, garra, persistência e aceitação...Faço tempestade num copo dàgua e vc pra criar o Francisco sozinha...
Beijos e sinta-se acarinhada!

Anônimo disse...

Essa música diz muito....

Na Volta Que O Mundo Dá(Vicente Barreto E Paulo César Pinheiro)

Um dia eu senti um desejo profundo
De me aventurar nesse mundo
Pra ver onde o mundo vai dar

Saí do meu canto na beira do rio
E fui prum convés de navio
Seguindo pros rumos do mar

Pisei muito porto de língua estrangeira
Amei muita moça solteira
Fiz muita cantiga por lá

Varei cordilheira, geleira e deserto
O mundo pra mim ficou perto
E a terra parou de rodar

Com o tempo
Foi dando uma coisa em meu peito
Um aperto difícil da gente explicar

Saudade, não sei bem de quê
Tristeza, não sei bem por que
Vontade até sem querer de chorar

Angústia de não se entender
Um tédio que a gente nem crê
Anseio de tudo esquecer e voltar

Juntei os meus troços num saco de pano
Telegrafei pro meu mano
Dizendo que ia chegar

Agora aprendi por que o mundo dá volta
Quanto mais a gente se solta
Mais fica no mesmo lugar

Anônimo disse...

Cris, o que você postou hoje me fez lembrar dessa música e postei aí, mas quero ressaltar que ela se encaixa na sua vida atual...Imagino que existam momentos em que todo esse movimento (blog, livro, trabalho, Cisco, entrevistas, modelagens- não necessariamente nessa ordem de importância!)embora preencha muito o seu interior, não tenha como abarcar tantas perdas, tantas sensações de estar só...
Um forte abraço!

Silvia disse...

Olá!! Comprei o livro, estou na metade e a cada pagina me emociono. é lindo!!!

ana paula disse...

Lindo texto!!

Com certeza uma hora ou outra todos nós nos sentimos assim. Achando que para o outro tudo é mais fácil, que nossa vida não é tão interessante, blá blá.
Mas de quem é mesmo aquela frase que diz que de perto ninguém é normal?? rsrs

Bjokas

A Borboleta disse...

Bravo, bravissimo...lindo demais grande pequena bjo

Suh disse...

Você Cris...é uma pequena GRANDE mulher e o Francisco terá um imenso orgulho de ser filho de quem é!

Liege Saad disse...

Cris, quando li o seu texto parecia que estava falando de mim... conseguiu dizer o que pra mim até hoje foi indizível... expressar o que se passa no meu coraçãozinho... Bom saber que alguém tão grande como você, sente como eu... Bjo grande com muito carinho no seu coração!

Sayô disse...

Certezas para que, ne verdade?
Como diz Nietzsche:"As convicções são prisões"
e presas não poderíamos descobrir que "Os melhores momentos de nossas vidas chegam quando juntamos a coragem de transformar nossa maiores fraquezas no melhor de nós mesmos."

Beijos

Anônimo disse...

Oi lindinha!
Obrigada viu?
É que você me traduziu!
Nunca vi um descrito tào claro! Risos!
Se qualquer dia te visse por aí, ia te dar um abraço suuuper pessoal, é que você se faz da casa escrevendo desse jeito!
Um super abraço! Tudo de bom!
Ah, e que linda aquela foto envelhecida!!! Amei a serenidade dos olhos! Que ela esteja sempre passeando por aí!
Até!
Claudia Chaves

VaneideDelmiro disse...

Seu post me lembrou Sidarta (Hermann Hesse)...
Longos goles de vida!

Renata disse...

O não-saber é uma virtude que perdemos com as experiências da vida. A sorte é que essa nossa vida, por mais igual que possa parecer, tem muito o que ensinar e nos faz criança-do-não-saber novamente a cada dia.

Nascemos mesmo, agora há pouco. Que bom.

Beijo grande,

Renata Sperandio.

~ Jordana Lee disse...

Te entendo kerida..."Que a minha sede é de vida e eu nasci agora há pouco." ameeeeeeeeeei... beijinhos pra ti e pro Francisco!

Thaís disse...

Olá Pequena ...

Tem três selinhos esperando por vc
no meu Viver ok.

Beijos.

Gisselle disse...

Oi, acabei de ler seu livro, hj!
Uma amiga me deu na missa de sétimo dia do meu noivo, com uma linda dedicatória.
Adorei!
Palavras confortante e sentimento iguais em muitas linhas. Lembranças inesquecíveis.

Grande beijo

Andréa disse...

Lindo!!!
Bjs
Andréa

Luciana Gill disse...

"... A vida é assim: esquenta e esfria,aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem."

Guimarães Rosa

Desenhos da Fernanda disse...

Muito bonito, como tudo que você escreve!...

bjs

Deveria estar estudando disse...

Ai, Cris, meu pai é tudo na minha vida. Tenho certeza que o Cisco vai ter muito amor pelo pai dele, graças a você, que não deixará isso ser esquecido. Fiz até uma postagem para o meu paizinho hoje e lembrei dos seus textos que sempre me emocionam: http://deveriaestarestudando.blogspot.com/2009/02/pai.html
bjks! você é linda por dentro e por fora.

pridourado disse...

Absoluta.
Vc e muito abslouta Cris!!
fla tudo que queremos e precisamos ouvir, mas de um jeito simples e doce, tudo misturado.o que nos faz refletir e ter certeza que viver é muito bom. E que sentir saudade é permitido!!!
parabens pela força.
To por aqui sempre.
bjs

Sentilavras disse...

Isso que vc faz é tão lindo, tão indescritível. Isso q vc traz pr'as pessoas é tão bom. E as mensagens q te escrevem. Tudo aqui é muito cheio de amor. Eu me apaixonei por vc, pelo Francisco, pelo seu blog, pelas pessoas que te frequentam...

Não consigo ler seus textos e segurar as lágrimas ao mesmo tempo. Sempre me emociono. Sempre.

O q mais tenho na vida, além da vontade de amar e ser feliz, são dúvidas. Tenho uma vasta coleção de medos e angústias gerados pela dúvida. Eu fico assustada, com temor do futuro. O q eu queria mesmo era ter certeza. Pq, na verdade, se eu tivesse certeza de q as coisas vão dar certo, eu ficaria mais tranquila. Por outro lado, se eu tivesse certeza de q as coisas vão dar errado, se alguém me dissesse q eu to no caminho errado, eu lutaria o máximo q eu pudesse pra q as coisas saíssem o menos pior possível.

Joice Nunes disse...

que lugar bonito, esse.

Annanda Galvão disse...

tudo que é de verdade me emociona...quanta verdade em tantas palavras que confundem e explicam tanto!
lindo demais!
beijos!!!

Sir Van de Toulon disse...

Minha companhia inevitavelmente me deixa sozinho, e é aí que necessito o calor do outro.
é bom saber que apesar de tudo, eu e você queremos vida. e nao saber, jà dizia Sócrates, também é algo bom.
abraco de urso!

nana disse...

incrível sua habilidade de escrever exatamente o que a gente sente aqui, no fundo, forte e presente. lindo, cris, obrigada!

Madame Viu disse...

oi, sempre passo por aqui, mas nunca deixei recado. mas esse post me emocionou tanto e traduziu tão perfeitamente o que sinto que não deu pra resistir...rs. acho que a maioria das pessoas tem esse que de inadequação com uma pitada de melancolia, mas o tempo e vida vão ensinando que é assim mesmo, todo mundo está só, mas todos estamos no mesmo barco. e é dai que nasce a solidariedade! um gde bjo pra vc e pro seu filho!

vitoria disse...

Acabo de ler a referencia ao teu livro na revista Bons Fluidos...Parabens pela superação,por tudo...Deus te abençoe eternamente,bjj :)

Mariana - A ex-Rapariga disse...

Cada vez que passo por aqui é um banquete pra alma...
Absoluta em beleza e humanidade.
Bj no coração de vcs!!!

Bahasi disse...

Roubei seu post... Muito de mim aí.
Tá lá no http://decostasproespelho.blogspot.com/

Bjs.

Carol

Bahasi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.