quinta-feira, 19 de julho de 2007

6 meses desde aquela manhã

A primeira vez que seu pai fez café da manhã pra mim, Francisco, ele trouxe
um ovo quente com torradinhas cortadas em lascas, dispostas no prato como
uma fogueirinha.

Seu pai cozinhava que era uma delícia. Mais gostoso ainda era ver o prazer
que ele sentia ao preparar um prato qualquer – mesmo um simples sanduíche.

Bastava parar ao lado dele e dizer que estava com fome para ouvi-lo
perguntando animado: “O que você quer comer?” E um simples ovo frito virava
a comida mais gostosa do mundo.

E não era preciso ser apaixonado pelo seu pai pra achar isso.

Ele era um cara presente nas pequenas coisas da vida. Não nos dias de festa,
tomando champanhe - no dia-a-dia mesmo. Mas se fosse preciso, ele também
providenciava o champanhe em plena segunda-feira à tarde.

Seu pai acordava cedo, olhava pro céu azul e comemorava. Sorvia cada raio de
sol fazendo alguma coisa simples, mas bem gostosa. Não passava um dia sem
dar um abraço quente em alguém. E nos raros dias em que tinha preguiça de
acordar, esperneava na cama feito criança. Você precisava conhecer o olhar e
o sorriso de criança que seu pai tinha. Vocês iam brincar horas juntos.

Papai e Mamãe também passavam horas rindo juntos. Cantavam juntos ao longo
de toda viagem. Faziam piada de tudo. Ríamos também nos emails que
trocávamos, nos telefonemas. Imagine, Francisco, que ele gostava de ver a
novela das oito com a Mamãe. Era delicioso fazer e falar qualquer bobagem
com ele, como também era bom ficar em silêncio. É que com o Papai a Mamãe
sentia aquela sensação quase de alívio que a gente tem quando encontra o
amor de verdade. Um dia você vai saber o que é isso.

O amor do Papai pela Mamãe, Francisco, fez parte da vida dela antes mesmo
da gente namorar: na geléia de morango que ele mesmo fazia, no queijo que ele
trazia pra Mamãe sempre que ia ao Mercado Central, no abraço de todo dia de
manhã, no jeito especial de ajudar a Mamãe no trabalho ou mostrar uma dica,
um caminho mais fácil pra fazer uma coisa qualquer. Seu pai era uma presença
que trazia delicadeza pra vida da gente.

A gente nunca morou juntos, mas brincávamos de casados de sexta a
domingo. E era muito gostoso.

Quando eu estava esperando você, com aquele barrigão, era seu pai quem fazia
supermercado pra mim. O último, eu me lembro bem: ao abrir as sacolas, entre
um item e outro da lista, encontrei chocolate, azeitonas pretas bem grandes,
biscoitos, frutas fresquinhas e o meu sorvete predileto.

O vidro de azeitona ainda durou muito tempo na geladeira, mesmo depois que
seu pai deixou esse mundo, me fazendo lembrar as palavras da sua bisavó
Juju: “Que absurdo as coisas durarem mais do que as pessoas”.

E acredite, Francisco: naquela manhã de 17 de janeiro, na minha geladeira,
tinha um pote de geléia de morango que ele sempre preparava pra mim. E foi
por volta das nove da manhã que eu comi a última colherada.

Ele me deu tanto amor, filho, que até a falta dele me deixou presentes.
Com ela eu descobri quantos amigos eu tenho. E a Mamãe, que sempre foi tão
independente, aprendeu a dizer “Preciso de você”. E não passa um dia sem ver
um amigo, sem falar ou ouvir uma palavra de carinho. Chama as pessoas de
queridas – e é sincero. Mamãe herdou os amigos dele e herdou também o amor
dele pelos amigos.

Pra Mamãe Papai deixou de presente uma família nova que, como você, ela
aprende a conhecer a cada dia. Que bom ter família de novo, meu filho. Que
jeito lindo seu pai encontrou de continuar vivendo.

Vejo você crescendo e penso em como o Papai ficaria feliz ao ver você tão
parecido com ele. Fico em dúvida se ele lhe daria banho ou trocaria fralda
de cocô. Se ele aprovaria as nossas escolhas, essas que faço sozinha. Mas de
algumas coisas eu tenho certeza, meu filho: ele adoraria fazer você dormir.
E chegaria mais cedo em casa pra ver você acordado. E levaria você pro clube,
pra passear no mato. E cantaria pra você.

Não consigo entender como seu pai desapareceu, mas também não sei explicar o
milagre do seu aparecimento, Francisco. Só sei que 2007 é o pior e o melhor
ano da minha vida.

Eu conto tudo isso pra você, meu filho, porque preciso contar pra mim mesma.
É que pra dar conta da morte a gente arranja uma espécie de esquecimento,
não da pessoa, mas da sensação que a gente tinha ao lado da pessoa. E eu não
quero esquecer seu pai, Francisco, porque quero que você o conheça bem.

Porque muito antes de o coração dele parar, ele ouviu o seu coração bater. E
chorou. Ele viu você desde que você só tinha sete milímetros até chegar a
uns trinta centímetros. E se orgulhou ao ver minha barriga crescer. E disse
que te amava, falando bem pertinho da barriga. E disse “Que gostoso!” ao ver
o seu pezinho no ultrassom. E gravou uma seleção especial de músicas
clássicas pra você. E desenhou a parede do seu quarto – mas achou que ainda
não estava à sua altura. E apertou junto ao peito as roupas e sapatinhos que
compramos pra você, chorando só de pensar na emoção que seria ver você
chegar. E parou de fumar, coisa difícil de se fazer, pra poder viver mais
tempo junto de você. Ele te amou muito, Francisco. Você nem imagina. E foi
muito mais feliz depois de saber que você existia.

Hoje estamos assim: Papai em algum lugar bem bonito e a Mamãe aqui,
nós dois a cuidar de você, filho, e em você o amor que nos une feito mágica.
Como ele mesmo dizia, a gente faz uma grande dupla.

Se era a hora de o Papai ir, você foi o jeito que Deus encontrou pra gente
continuar vivendo esse amor. Esse amor que não cabe.


53 comentários:

Redatozim disse...

Cris, minha linda, já linkei seu blog no pastelzinho. Esse blog é para o Francisco, mas pode ter certeza de que quem amou o Gui e ama você como nós, também o recebe como um presente. Lindo, lindo.
Um grande beijo,


Maurilo.

Ana Lucia disse...

Lindo Francisco, que belo presente esse que sua mãe te deu! Beijinhos,
Ana Lúcia

Allysson disse...

Só hoje cheguei aqui, através da Malu, do Dom Caixote – a fofa faz pós graduação comigo... E já chorei.

Que saudades de todos vocês.

Beijo!

Allysson

Allysson disse...

Só hoje cheguei aqui, através da Malu, do Dom Caixote – a fofa faz pós graduação comigo... E já chorei.

Que saudades de todos vocês.

Beijo!

Allysson

Dani Toré disse...

Cris,
cheguei aqui através do blog Terapia Floral, e estou aos prantos de choro te escrevendo este comentário.
Perdi meus pais muito cedo e tenho sempre a sensação de que perderei o meu marido assim, derrepente.
Tenho uma filhota de 8 anos.
Só li este primeiro post seu, e estou tomando coragem para continuar a ler os outros.
Continue contando essa história de amor ao seu filho e à nós todos.
Coragem e um grande beijo pra vcs.

patrícia disse...

oi moça :)
cheguei aqui por meio da revistinha que saistes esses tempos. cheguei aqui no fim do blog com um nó bem doído na garganta e cheia de lágrimas.
achei lindo sua força pra escrever esse blog, ou até a sua dor colocada aqui..
enfim, nem sei pq estou comentando. mas sabe, tu és uma mulher de fibra! muito amor pra vc e seu filho! muito amor :)

Michele disse...

Até a dor tem a sua beleza!
Beijos e muitas felicidades na vida!

Rodrigo disse...

Cris

A presença da ausência nos eleva um um posto maior, o dos sonhos e assim o Francisco viverá! Os sonhos de quem se amou e que fez da própria história um aprendizado eterno!

God bless you!

Rodrigo

Alessandra Pilar disse...

Olá Cris, cheguei ao teu blog por meio do Garotas que Dizem ni. E pelo nome já me identifiquei antes de começar a ler e saber tua história. Estou grávida de 8 meses e meu filho será também um Francisco. O meu Francisco Terra. Tenho uma história parecida com a de seu filho, pois meu pai morreu quando eu tinha apenas 5 dias de vida. E o que mais sinto falta é de saber como ele era. As poucas coisas que sei sobre ele não bastam para conhecê-lo. Que pena que minha mãe não teve a mesma idéia que você!! Eu hoje seria mais feliz por conhecer o homem que me trouxe ao mundo. Parabéns pelo blog. Vou linká-lo no Achados.

bjos
Alessandra

Dedinhos Nervosos disse...

Oi Cris.
Inacreditavelmente hj está tudo tranquilo aqui na agência. Aí, estou começando a ler seu blog pelo começo mesmo. Do jeito que descreve seu amor, parece que consigo vê-lo. Tenho 2 sentimentos: que pena q ele partiu tão cedo. Que bom que deixou um pouco, ou melhor, muito dele para trás, para que seu futuro tenha sempre a cia dele, pelo Francisco. Bjos carinhosos.

Pri disse...

Oi Cris. Há um mês também perdi um amor, não foi a morte quem o levou, mas o destino e algum motivo que desconheço. Desde então venho acompanhando sua história, lendo seu blog, vendo suas entrevistas... esta sendo uma maneira de encontrar forças para seguir em frente. Sempre acreditei que são poucas as pessoas que passam pelo mundo e vivem um amor de verdade. Você e o Gui foram dois privilegiados. O Francisco (mesmo ainda um 'Cisco') tem muito orgulho de vocês... Abraços e felicidade sempre.

mona disse...

Achei o link do blog em um blog de amigas. Vou ler desde o primeiro post ao ultimo. vc escreve muito bem, e suas palavras me fizeram chorar.

muito lindo.

=*

JULIANA FLORIANO disse...

Cris,
Hoje descobri seu blog para o Francisco. Já conhecia o "hoje vou assim" e me interessei pelo seu lado avesso, e qual foi minha surpresa! Você tocou fundo em mim, tanta beleza em suas palavras, tanto amor! Chorei e não podia deixar de expressar aqui minha admiração por sua força e ao mesmo tempo delicadeza. Saiba que suas palavras nos trazem pra vida, pra vivermos o agora tão maravilhoso. Obrigada Cris! Muita luz na sua vida, Juli.

Mateus Felipe disse...

É a certeza: impossivel sair ileso daqui, impossível sair seco.

Sentimental ♥ disse...

Alimente sempre a certeza de que ele está em outro plano, olhando por vcs e te ajudando a criar e educar o Francisco.
Luz e paz, sempre.
beijos

Gabriela Galvão disse...

Ei,

Li uns da página inicial e vim p este.

Me emocionei mas ñ chorei. Sua escrita eh leve e p mim soou quase q como se ñ coubesse choro.

Choro em casamentos dsd criança, sempre achei a coisa mais linda do mundo.

Hj eu sei explicar pq: pq eu acho incrível duas pessoas criadas d forma completamente diversa terem afinidades mtas e intensas, acho q se dispor a construir um caminho juntos eh d uma generosidade d desprendimento e coragem monumentais, mas ter filho... Eh isso td elevado à enésima potência. Eh descomunalmente grandioso.

Eu quase tenho medo d dizer, mas digo: se eu achasse 'o' cara, o perdesse e fizesse disso algo como o q vc fez, me sentiria uma privilegiada.

Abraço

Célia disse...

Descobri os seus 3 blogs ontem... todos de uma só vez. Fiquei viciada mesmo antes de começar a ver... Este "bateu-me" de uma forma especial. Não consegui conter as lágrimas e ainda só tive tempo de ler 2 ou 3 posts... Sou do outro lado do mundo e, mesmo assim, com estas palavras sinto como se estivesse aí tão perto. Acho de uma coragem extraordinária a criação deste blog para que um dia o Francisco possa ver como os pais são felizes... sim, porque de qualquer forma continuam a ser. Nunca lidei com a perda de alguém e isso assusta-me muito... Ainda não tenho filhos, ainda me considero uma menina apesar de já fazer parte do mundo dos crescidos... E choro sempre que entro neste blog...

Mosana disse...

eu posso falar exatamente o que a celia disse.. só que sou de SP.. nao do outro lado do mundo..
o resto é igual.
já chorei lendo várias partes...
qq coisa q eu diga é pequeno perto de td q senti.. com certeza menor ainda perto de tudo que li...
admiro-te
kisses

Ana Corina disse...

Olá, não sei se você ainda tem tempo de ler os comentários, mas como adoro quando pessoas que não conheçam me escrevem, tomo a liberdade de te escrever. Descobri seu blog hoje totalmente por acaso. E só queria te dizer que estou achando tudo lindo, profundo, poético. Não tenho respostas pra Morte. Ela já levou minha mãe quando eu tinha 10 anos e muitos amigos queridos embora eu ainda só tenha 31. Como tenho um amor verdadeiro em minha vida, fiquei particularmente tocada ao ler sobre o teu. Que sorte tem o Francisco de ter uma mãe assim tão carinhosa. Parabéns. Se entendi bem, foi num 17 de janeiro que o pai dele se foi deste planetinha... É justamente quando comemoro aniversário. E bem em 2007, no mesmo dia nascia o filho de uma conhecida minha. Fiquei meio enciumada, pra mim a data era só minha, toda minha. Nunca me passou pela cabeça os que também farão outro tipo de aniversário na data. Sinto muito, muito mesmo, tanto quanto alguém que não te conhece pode sentir. Um abraço com carinho.

Regina disse...

Eu ja tinha ouvido sua historia, ñ me lembro onde, mas so hj atraves de um site cheguei ao seu blog. Maravilhosa a sua ideia, qdo o "cisco" crescer vai ter mta coisa pra contar sober o pai dele.Meu pai foi meu melhor amigo com ele aprendi mt e hj adoro falar dele,do seu carinho por mim,espero q aconteça o msm com seu pequenino. Desejo q ele seja mto feliz.

Edilene disse...

Fiquei mto emocionada lendo seu blog...amor traduzido em palavras, palavras que espelham um amor sem limites...é muito lindo ver os frutos que o amor produz, mesmo quando alguns galhos são cortados a árvore ainda consegue renascer...Parabéns!

taty disse...

Cisco,
parabens pelos pais que vc tem
Bj enorme

Lala disse...

Há muito li: as pessoas não morrem, ficam encantadas!

Quando me emociono minha garganta dói e meu ar falta... Estou assim. Sem saber o que escrever, sem saber o que estou sentindo. Envio a ti, querida Cris, um abraço mudo e apertado, como forma de exprimir meus sentimentos não somente a você como também a Francisco.

MaryHelen26 disse...

COMO É LINDO VER O AMOR... ENTREI NO SITE DA REVISTA CRIATIVA E DESCOBRI VC ENTRE AS 15 MULHERES DO ANO, FOI POR ACASO, POIS DEVERIA ESTAR ESTUDANDO PARA MINHA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA. POIS BEM, ME DEPAREI COM SEU VIDEO NO GLOBO REPORTEI E QUIS SAVER MAIS, DEVORAR A SUA HISTORIA, E COMO É LINDA SUA HISTORIA. UMA MISTURA DE AMOR DOCE, SUAVE COM UM ADEUS REPENTINO E UM PRESENTE AO MESMO TEMPO. NÃO SEI SE PRA COMPENSAR SUA DOR, MAS QUE BELO PRESENTE VC GANHOU. É A PRIMEIEA VEZ QUE COMENTO EM UM BLOG, MAS PRECISA DIVIDIR COM VC A SENSAÇÃO DA DESPEDIDA. É ESTRANHO, PARECE QUE JÁ SABEMOS DA PARTIDA DE TÃO BOM E IRREAL AOS OLHOS DOS OUTROS E DE NOS MESMOS. NAMOREI POR QUASE TRES ANOS ELE NA FACULDADE EU MAIS VELHA QUE ELE, DIFERENÇAS A PARTE, SABIA EU QUE ELE ERA ESPECIAL, NÃO PORQUE SE FOI, MAS VC FALA DO OLHAR DE AMOR QUE ELE LHE OLHAVA, JÁ SENTI ISSO...AI É LINDO. DO NADA ELE SE FOI DEPOIS DE 4 DIAS DE ESCOLHERMOS A DATA PARA O NOIVADO, FIQUEI SEM CHÃO, SE AR... E ME PERGUNTEI PQ EU...DEUS NÃO ME AMA...JÁ TINHA PERDIDO MINHA MÃE NA ADOLESCENCIA, MEU PAI E AGORA MEU AMOR... COMO FOI DURO...QUERIA PODER TER DITO SUA IDEIA...ACHO ESCREVER AJUDA...JÁ SE FORAM 5 ANOS E AS VEZES TENHO A SENSAÇÃO DE QUE ELE ESTA AQUI BEM DO MEU LADO...COM SEU OLHAR DE AMOR...
NÃO A CONHEÇO, MAS RECONHEÇO VC EM MIM...OBRIGADA POR ME FAZER MELHOR HOJE...TENHO MUITO A ENTENDER MAS OUVINDO VC NÃO QUERO PENSAR NO QUE NÃO POSSO E SIM NO AINDO POSSO. E VC É ESPECIAL POIS TEM UM ANJINHO FRANCISCO AI...QUEM ME DERA TER UM AQUI...UM ABRAÇO! MARY

MaryHelen26 disse...

Nossa desculpes pelos erros na escrita, falta de acentuação, mas não sabia nem como começar...

Juliana disse...

Cris...uma loucura essa tal de de internet!!To aqui a essa hora me esvaindo em lagrimas por alguém que nem conheço!!Vim pela curiosidade da materia da Criativa e me deparei com semelhanças...Que qdo tiver oportunidade repartirei com vc !!!Simplesmente tocante!!! lindo e sucesso

Raphaella disse...

logo hj cheguei no seu blog...fui lendo ..lendo...ate chegar aqui.
minha vontade agora é dar um abraço bem forte nessa pequena GRANDE familia.
um feliz natal. a historia de vcs 3é muiiito especial.
um grande abraço virtual.

Mayara Myles disse...

Suas palavras me tocaram muito...perdi um amor recentemente..ha 3 dias, pra ser mais exata.Estou sem chão, nao consigo me conformar do jeito que vc se conforta...parabens.

Máh disse...

Começando a ler agora e me emocionando desde já...

Anônimo disse...

Como demorei tanto tempo pra descobrir esse blog.. Faço questão de ler cada post, mesmo que de dois anos atrás..
É a coisa mais linda do mundo..

Anuska disse...

Quando entro num blogue pela primeira vez não costumo ler o primeiro post, mas não pude deixar de fazê-lo. Prazr em conhecê-la :-)

Juca Filho /jucafii disse...

>;"(

Luciana Martinez disse...

Oh, meu Deus, talvez meu comentário seja mais um entre tantos que você não pode responder pelo tanto de pessoas que passam por aqui. Estou diante do pc lendo a primeira postagem, pois queria saber o que aconteceu, como ele se foi e eu não consigo parar de chorar de emoção, de pesar, de saudade...saudade dos dois filhos que enterrei (sei a dor de perder quem se ama), mas feliz por você poder deixar para o Francisco o que muitas vezes vivos não conseguimos ter. Essa última frase seria muito complexa para explicar, mas de alguma forma acho que consegue entender nas entrelinhas.
Que seu caminho seja de muita alegria do lado do Francisco e quando ele fôr do nosso tamanho possa se orgulhar da mãe que tem e do pai que teve.
Esse blog agora faz parte da minha história.
Um beijo enorme pra ti!

Mariane Martins Manso disse...

Querida Pequena,
eu já via o "hoje vou assim" e ontem te deixei um post banal, escrito meio mal, sobre consumismo e algumas futilidades mais.
Hj descobri o seu outro blog e tenho q dizer q vc se tornou um pessoa no meu coração. Me senti ricidula ao reler o meu post e perguntar de compras pra alguém com um gabarito emocional como o seu.
Tomei a liberdade de te chamar d pequeno pq é assim q vc se cadastrou. Achei q Cris seria invadir mt a sua privacidade.
Assim q li o seu blog, saí e comprei o livro (não aguentei esperar a entrega de UM dia) e o vendedor da Saraiva sabia decor aonde estava o seu livro.
Sua história é só sua, mas tbm é minha, é de todos, é universal.
Obrigada por compartilhar tal sensibilidade para que pessoas como eu consigam compreender melhor os sentimentos que temos nesse mundo.

Obrigada,
Mari(ane)
precisasedeamigas.blogspot.com

Ju Marques disse...

Só quis deixar aqui registrado que hoje vcs ganharam o meu amor.

Bela Figueiredo disse...

Cris, 2007 foi o ano em que meu pai morreu. meu melhor amigo, médico, parceiro, malabarista, enfim. assim, num paf, que nem teu marido. nesse mesmo 2007, aliás, 5 dias antes de meu pai morrer, nasceu Bernardo, meu sobrinho. e eu não conseguia amar ninguém, pois a idéia de perder um fio de cabelo sequer me aterrorizava. hoje, Bernardo é a delícia blaster da família... buenas, eu já havia lido sobre teu blog mas não tinha coragem de vir aqui. agora que o luto passou (passou ou se acomodou?) e que a saudade só aumenta - saudade é buraco que não se tapa - venho te ler e dar um beijo e dizer ainda que as placas tectônicas do mundo vão se ajeitando após os terremotos. ouvi isso de uma amiga ontem mesmo. estamos juntas. pode acreditar.

Diadorim Lagarto de Fogo disse...

Oi. Sou também uma blogueira com 5 blogues, aff... E acho tão bacana quando encontro gente que consegue transmitir até mesmo o amor, a saudade e até mesmo a dor com tanta poesia.
Um dos mes blogues é uma idéia pra um livro. Mas hoje, depois de ler sua primeira postagem, pensei duas coisas: 1. que faz tempo que não me emociono com um texto como o seu e suas descrições no seu blog. E olha que me recomendaram ele há tempos, mas eu não sei porque só fui ler hoje, blogueira que sou. Coisas da vida. e;
2. que só seu primeiro post já me fez mudar todo o conceito do meu livro. Quem sabe um dia a gente não troca figurinha e eu te conto essa história.
No mais vou seguir lendo e sei que com o nó que tô na garganta, daqui a pouco vou chorar. Mas não deixaria de comentar o primeiro post por nada. Afinal, ele é o começo de tudo.

Adinha disse...

Vi sua reportagem na resvista "SELEÇÔES Reader's Digest"
Nossa Cris sua história além de linda, mesmo com essa tristeza, é tbm um exemplo de luta perserverança e nos prova q o amor ñ morre junto com a morte e sim pode se duplicar,se eu disser q estou chorando estarei mentindo,mas estou sim muito,mas muito feliz por saber q existe alguém q ama de verdade, hj sim aprendi q amor verdadeiro existe desejo do fundo do meu coração q vc e o Francisco sejam abençoados todos os dias por Deus e q viva na presente ausência do "GUI"...

Um abraço, pequena grande mulher!!

Guilherme Kato disse...

Hoje eu descobri este seu blog através de um amigo mas estou tão sensível (assuntos pessoais) que não consigo nem mesmo ler os títulos sem que meus olhos fiquem embaçados e até escrever este parco comentário se torna difícil.

Prometo voltar com calma e ler tudo o que conseguir.

Obrigado!
bjs,
Guil

prishora disse...

Cris, descobri você ontem por meio das ilustrações da Jana Magalhães. Cheguei no hj fui assim e depois neste aqui e lembrei que já tinha ouvido falar dele alguns anos atrás... Como vc toca com suas palavras!!
Tô fazendo uma leitura aleatória dos posts e o livro já entrou para a lista dos presentes de Natal!!
Ahhh hj tb li o post de 9 de MAIO de 2009 "Sobre o que somos e o que parecemos ser"... E o que posse dizer é: Parabéns pelo modo com vc floresceu!!

K∂riиє* Smith. disse...

Cheguei ao seu Blog pelo Google.
Estava procurando a frase do filme 'Finding Nemo' e seu Blog apareceu ali na lista.
Fiquei curiosa em saber quem seria Francisco e mais ainda quem seria você.

Bem, eu sou A Karine, tenho um filho de 8 anos, meu ex-marido morreu de cancêr faz quase 3 anos, me casei de novo e tenho uma filha, moramos todos na Irlanda, meu namorado é Irlândes.

Gostei de verdade do seu Blog.
Queria saber se você já leu um livro chamado 'Dear Sebastian' ?, bem, é sobre um pai que descobre que está em fase terminal de cancêr e decide fazer um livro para o Filho, ele morre antes de terminar e a mãe dele pede para que várias pessoas escrevam para o Sebastian conselhos sobre a vida.
é bem bonito, vale a pena.

Pra você e especialmente para o Francisco, muita paz e Amor ...

beijos meus...
Karine.

ant. zine disse...

Nem lembro ao certo como cheguei ao teu blog, só sei que depois disso nunca esqueci de aparecer por aqui.
Estou comentando aqui no primeiro post do teu blog, pra dizer que senti falta de ler essas coisas lindas e emocionantes que você escreveu/escreve. Senti uma necessidade de ler tudo de novo acredita? É emocionante e estou no trabalho me segurando pra não chorar.
Lendo, lembrei do post em que falas do processo que seria colocar o nome do Guilherme no Francisco e que felicidade que isso finalmente aconteceu né? Fico feliz por ti Cris,e imagino o tamanho da importância que isso tem, afinal, Francisco merecer tudo que ele pode do pai dele.Um abraço e mais sucesso sempre, em todos os aspectos da tua vida.

AST.França disse...

Lindo Blog.

Deixo um "poema" que conheci tem pouco tempo, mas que fez a vida ser mais leve.

Tudo de BOM pr'ôce e pro Francisco.

Alexandre França
=x=x=x=x=

"Por muito tempo achei que a ausência é falta. E lastimava, ignorante, a falta. Hoje não a lastimo. Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim. E sinto-a, branca, tão pegada,
aconchegada nos meus braços, que rio e danço e invento exclamações alegres, porque a ausência, essa ausência assimilada, ninguém a rouba mais de mim."
C.D.Andrade

"Dri" disse...

Acabei de ser apresentada ao seu blog por uma amiga. E já estou mto emocionada com esse 1º post.
Q PRESENTÃO esse q vc está fazendo dia a dia para o seu filhote.
beijos!!!
Dri

ELLEN LIZ disse...

Olá Cris, hoje descobri o blog para Francisco, meio que por acaso lendo uns posts antigos no hj vou assim off. Menina que história de vida vc tem hein, sincenramente já te acompanhava no Hj vou assim, pelas fotos pelos posts vc sempre me pareceu alegre feliz e uma pessoa muito centrada, não imaginava nada disso. Achei essa idéia de escrever para seu filho maravilhosa, passei a tarde quase toda lendo desde desse primeiro post até o atual, chorei muito, não me emociono fácil mas hj não resistir, é vc escreve de uma maneira muito delicada sincera e tenho certeza que Francisco vai ser muito grato por isso td. Hj tbm passei a acreditar mais no amor, hj em dia a gente vê muita coisa ruim, mas basta ler esse blog para acreditarmos que amor existe sim, e que ele tem um força muito superior!! Parabéns vc é guereira! Vc hj me inspirou a acreditar que eu posso ser uma pessoa melhor, ser mais família e que mesmo no meio de uma tragédia podemos tirar lições positivas. Um bjo enorme em vc e no Francisco que está lindo!!
Ellen, Canoas RS

Kiara disse...

Estou extremamente emocionada com a delicadeza e o amor de cada palavra escrita...

Kamila Vieira disse...

emocionante!
w

Doce Espera disse...

Menina...
Que denso e que repleto de amor!!!

Amanda disse...

Faz tempo, mas eu só encontrei esse blog hoje... mas que bom que eu encontrei tanto amor e tanta coisa linda. emocionada.

Mami's Coruja disse...

impossível não chorar! mto amor!
dor e emoções divididas!
quero mtoooo o teu livro!
beijos

Fernanda Alves disse...

Meu Deus! Não lembro de ter chorado tanto assim…
É estranho, um sentimento que não sei explicar. Uma mistura de sentimentos, dor e admiração principalmente.
Juro que em vários momentos tive que parar de ler para conseguir me recompor. Uma sensação estranha como se eu já tivesse vivido algo parecido. Não sei explicar.

Eu descobri o blog hoje, através do post no Hypness. Como muitos, vi alguns posts novos e vim pro início. Já li um bocado de coisas mas resolvi vir pro primeiro para deixar o comentário.

Te desejo mais amor, mais serenidade, mais felicidade. Vocês formam uma família linda, abençoada. Também sou de BH e me deu uma vontade enorme de te conhecer pessoalmente. Vontade de receber sua energia que com certeza é muito boa e forte.

Beijos!

Unknown disse...

Puxaaa quase 6 anos depois e só agora encontrei esse blog e vim direto pro primeiro post. Cheguei até aqui depois de muito me emocionar com o blog lucianaewoltony e lá vi muitas pessoas deixando comentários indicando seu blog. Não resisti e cá estou já tocada no primeiro post. Vou ler tudinho! Bjs!

Unknown disse...

Esqueci de me identificar: Janaína de Fortaleza—Ce.