quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Cada um no seu papel.

Ontem me senti muito culpada por não poder ficar com você por mais tempo de segunda a sexta. Minha vida já seria uma correria só pelo trabalho e ultimamente tanta coisa tem acontecido além dele. Que contradição: é muito por você que fico tanto tempo longe de você. Na verdade, filho, no fim de semana eu sou cem por cento mãe. Mas durante a semana, eu sou o pai. E chego do trabalho bem cansado.

22 comentários:

Renata disse...

Nossa! Quanto não já me martirizei por isso...Cheguei muitas vezes a pensar que não havia nascido para ser mãe, pois o trabalho me dá também muito prazer. Mas a gente vai aprendendendo, aos poucos, que podemos ser mãe sem deixarmos de sermos nós mesmas, e que o papel de mãe é muito, muito maior do que a presença física a qualquer hora...

Te mando hoje ainda o texto sobre o livro por e-mail, ok?

Um abraço,

Renata Sperandio.

Ana disse...

Cris, há muito acompanho seu blog diariamente. Todos os posts são emocionantes e eu adoro a maneira você você traduz seu sentimento...De uma verdade incrível! Hoje resolvi comentar, pois me tocou esse seu "pedido de desculpa". É claro que o Francisco vai entender essa "ausência", o importante não é quantidade e sim a qualidade do tempo que você dispensa a ele. Tenho certeza que no final de semana, você se supera! Quisera eu que minha mãe fosse 10% do que você é. Mas isso é outra estória! Um beijo, linda! Ana

Juliana disse...

Ei Cris, queria q vc lesse o meu email q mandei para o seu gmail, por favor..Meu nome é Juliana Fagundes!

By Mari Molina disse...

Cris,

Certamente seu filho saberá reconhecer a mãe maravilhosa que você é.
Super beijos

Ana disse...

Acabei de ler todo o teu blog. A tua história, em meio a mtas lágrimas, fez com q eu me descobrisse e aprendesse mais sobre a minha própria vida.
Obrigada por vc existir! Que vc e o Cisco sejam mto felizes sempre!
Eu te admiro.
E acho q todas as palavras do mundo ainda não são capazes de descrever o q eu senti e to sentindo.
bjão

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Uma vida de 2 em 1... como diz a Alicia Keys "I am a superwoman" e é o que tu és!

Beijo meu ♥,

A Elite

Girassol disse...

cris, eu também sou pai de segunda a sexta... e por este fato, a culpa me consome. Vc não está sozinha nesta, acho que todas as mães sentem isso. beijos

jacque disse...

a maternidade me fez descobrir a culpa. relaxa.
os filhos crescem e, sem culpa, vão pro mundo muito bem, obrigada.
mais beijos (já comentei no hoje eu vou assim, mandei email... foram uns trocentos beijos hoje). =P

Regina disse...

Cris,

Também passo por essa "culpa" diariamente...
Para me "conformar" eu fico imaginando que a minha Helena gosta da escola (o que não deixa de ser verdade), curte os amiguinhos e as professoras. Ela fica o dia inteiro na escola. Mas me corta o coração ter que acordá-la de manhã, de seu soninho tão "delicinha", e arrumá-la para ir na escola. Ela só tem 3 anos.
Mas ela acorda sempre feliz e sorridente e isso alivia a minha culpa. Eu e o pai dela somos "sozinhos" em Florianópolis. Não temos com quem deixá-la e nos viramos - em vários - para atendê-la. Sabe qual foi o último filme que eu assisti, no cinema, com ele? V de vingança (juro! rs)
É complicado mesmo... não tem mãe que não se sinta culpada de ir trabalhar e deixar o filho em casa ou na escola. No seu caso é ainda mais difícil. Mas Deus faz tudo certo e o tempo vai lhe recompensar.

Um beijo, linda.

Miepeee disse...

Ola Cris, nao pense assim, afinal esta a fazer tudo para dar um bom fututo ao seu filho. Eu tambem temho uma filha e vivemos sozinhas, sei exactamente o que sente, mas a medida que eles vao crescendo tambem vao percebendo que fazemos tudo por eles e sempre que e preciso estamos presentes nem que tenhamos de fazer das tripas coracao.
Um beijo para os dois.

SGi/Sonia disse...

hahahahaha
Sempre sua leveza!

Beijins com Felicidades

Lidiane disse...

Ei, ele sabe disso.
No fundo, bem no fundo, o Francisco morre de orgulho da mãe e dos pais. Os dois: você e o que ele não conheceu, mas conhece.

Um beijo bem apertado.

Ah sei lá... disse...

ai que saudade de um post seu! mesmo que pequenininho!
O Francisco entende! melhor pra ele! que tem o pai que vc apresenta pra ele todos nós dia e uma super pãe!

beijos

inté.

Anônimo disse...

Eu sei bem o que é ter uma mãe que é pai. E quer saber: ela 'e tudo na minha vida, assim como vc 'e e ser'a na vida do Cisco.
Relax!
Bjs
Renata

Tarja preta disse...

Áh...! Sei que vc é super ocupada e tal..mas bem q podia fazer uma tarde de autógrafos aqui em Brasília tb neh!?
Vai..diz que sim..não seja má! Sim?
.
rsrs

Nina disse...

Passava quase a semana inteira longe dos meus Cris. Longe 300 Km, e na sexta feira voltava pra seus bracinhos (estudava longe). Aí você imagina a culpa né?

Depois de um tempo descobri que o mais importante não é a quantidade, mas sim a qualidade do tempo que temos com nosso filhos. Aprendi isso mesmo, e desde então, relaxei e parei com as culpas.

cada minuto com eles deve ser bem aproveitado! não só pra dar e receber carinho, mas pra educar, brigar, por de castigo, dar beijinho, ninar... essas coisas que mãe faz... e pai também ;)

Dri_ disse...

Me surpreendo com a sua capacidade de usar as palavras.

Isso que você escreveu muita mulher já o fez, mas você dá um encantamento às frases. "Na verdade, filho, no fim de semana eu sou cem por cento mãe. Mas durante a semana, eu sou o pai. E chego do trabalho bem cansado."

Achei perfeita.

Daniele disse...

Sei como é isso... e me mata todos os dias! Mas o que não fazer por eles, não? Aliás... tudo o que fazemos são para eles!
Beijos!
Dani

Camila disse...

todas as mães são iguais
eu, por exemplo, fico bastante em casa com Luca, meu filhote, mas mesmo assim me culpo por otras cositas...
quero muito estar no lançamento de seu livro aqui em SP!
Venha,sim!!!!!
beijos
Camila

Fragmentos da maternidade disse...

Me emociono sempre com seus posts, mas foi com esse tão simples que não resisti e criei coragem pra deixar meu primeiro recadinho. Talvez por ter me identificado tanto com esse dilema de ficar ausente para ser presente.
Beijos,

Beatriz disse...

Oi Cris,

Que saudades!!!
Fiquei um tempinho sem lhe visitar e confesso ter sentido falta, muita falta, dos seus relatos... Da sua delicadeza - incorporei totalmente; obra sua, mais uma... - e linda história de vida!

Quanto a este post, concordo plenamente com as outras colegas: a diferença reside na qualidade do tempo que tem para ficar com o Cisco. E só o fato de se incomodar por não poder estar com ele como gostaria durante a semana já fala de uma preocupação muito maior, de uma inquietação de alguém que não aceita apenas fazer. Isso sim é ser e viver a maternagem...
Tão bom seria se... Enfim, deixa pra lá!

Até terça-feira!
Beijinhos Animadíssimos

Anônimo disse...

Oi Cris, meu nome é Camila. Ñ sou sua leitora assidua mas conheço (um pouco) a sua historia. T admiro. Sabe qdo vc se idenifica com alguem e partilha de suas ideias? Pois "estamos" assim. Gostei deste post. Mostra bem o quer é ser mãe e ter outras responsabilidades. Chegar em casa cansada e ter alguem te esperando com uma bola na mão querendo brincar com você. Apesar de tudo, adoro viver isso!!! Bjos
Se puder qualquer dia...
cstsmendes@yahoo.com.br