terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Aprendizado de hoje.

Algumas coisas não precisam ser ditas.

26 comentários:

Confissões Cotidianas disse...

Sentir já basta, não é mesmo?

Manu disse...

Não precisam.
Às vezes um olhar diz tanto...

Bjs procê!

LOUCA PRA LER SEU LIVRO!

Bjs.

Paulinhah Guedes disse...

Olá encontrei seu blog meio q por acaso...faz um mes q perdi meu noivo...amor da minha vida...estavamos juntos ah 5 anos! e quando li seu blog me identifiquei em muitos momentos...achei tao tocante...
momentos que estou passando agora e que vc ja passou...alguem que sabe como estou me sentindo.. como ficar perdida sem saber pra onde ir... de escutar nossas musicas..musicas que antes traziam alegria e q hoje doi...
pode ter certesa vc me tem ajudado bastante... é lindo saber q vc tem um filho desse amor, queria eu ter um filho do meu amor... pena q ele se foi muito cedo e nao tivemos tempo pra realizar esse sonho! Desejo muitas felicidades pra vc e seu filho! bjos
Paula GUedes

Talita Avila disse...

...Só precisam ser ditas pela alma...AMOOO seu blog... E o cisco é uma criança linda mesmo sem conhece-lo...bjs

Barbara Prioli disse...

Já adquiri meu exemplar do livro. E mesmo conhecendo o blog há quase um ano, ainda me emociono lendo suas palavras.

Um beijo.

Anônimo disse...

Olá, Cristiana!

Realmente algumas coisas não precisam ser ditas, apenas serem vividas.
Mas não poderia deixar de descrever o quanto o seu livro tem demonstrado com leveza, palavras lindas de serem sentidas, ainda não o terminei de ler mas já estou encantada e maravilhada com sua garra e principalmente pela sua demonstração de sentimentos pelas perdas e ganhos movidos pelo amor.
Que Deus continua a te abençoar e iluminar o caminho de Francisco!!

Bjos ;) Eliane Ogawa

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Porque muito passa pelo olhar :)

Beijo meu ♥,

A Elite

??? disse...

Olá PEQUENA, acho que tu gostarias de ser chamada assim, como ele a chamava, comprei sexta-feira à noite seu livro na Fnac. comecei a lê-lo no sábado e terminei no dia. A palavra que encontrei para definí-lo, ARREBATADOR. Colocaste em palavras todos os sentimentos conflitantes por alguém que tinha acabado de partir e outra que tinha acabado de chegar, como tu mesmo disseste. paradoxo, a vida é assim, como sentir alegria se não conhecer a trsteza?Na minha crença, amores assim se reencontrarão, algum dia, num tempo que só o Senhor entende. Sei que hoje já estás mais em paz com seus sentimentos, fico feliz e mais pelo Francisco, que mesmo não tendo conhecido o pai, o conhecerá atraves de seus olhos, sua história seu jeito de ser, suas manias, sua inteligência e delicadeza, enquanto muitos nem conhecem seus pais e outros achariam melhor nem conhecê-los. Tu és fantástica, e o seu Gui também, consequentemente Francisco será fantástico ao quadrado. Beijos. Gisele.

Nina disse...

ahh, diz ai vai :)

Diana disse...

Cris, linda! Comprei o livro e li em 2 dias...não consegui parar! E olha que já tinha lido o blog inteirinho!! Muito lindo, muito amor, muita entrega, muito tudo! Assim como vc! Se te encontrar um dia aqui em BH vou te dar um abraço, viu? Não se assuste! Um beijão e tudo de melhor pra vc e o Cisco sempre!

Pamella disse...

Leio seu blog a mais de um ano, mas nunca comentei.
Mas ontem comprei o livro e voltei a me emocionar com os primeiros posts que li aqui!
Um beijo!

amelie poulain disse...

cara cris, vi sua participação no "sem censura" e fiquei encantada com sua história, principalmente por você ter sido transparente por ter se permitido à dor e ter aberto sua história ao mundo... acaba de ganhar mais uma visitante a seu blog!

concordo pura e absolutamente, algumas coisas não precisam ser ditas, por serem dispensáveis, outras, por serem tão claras a tal ponto, em contrapartida, acredito que algumas coisas devam ser ditas sempre, nunca se sabe quando será a última chance de se dizer, certo?!

beijos!

amelie poulain disse...

cara cris, vi sua participação no "sem censura" e fiquei encantada com sua história, principalmente por você ter sido transparente por ter se permitido à dor e ter aberto sua história ao mundo... acaba de ganhar mais uma visitante a seu blog!

concordo pura e absolutamente, algumas coisas não precisam ser ditas, por serem dispensáveis, outras, por serem tão claras a tal ponto, em contrapartida, acredito que algumas coisas devam ser ditas sempre, nunca se sabe quando será a última chance de se dizer, certo?!

beijos!

Luiz Calcagno disse...

Simplesmente inspirador. Já quero ler. Vou procurar aqui em Brasília. Queria, eu, ter sua sensibilidade para escrever melhor. (sorriso)

Abraço de um desconhecido

Renata disse...

Cris,

Realmente, algumas palavras não precisam ser ditas. Mas outras, sim. Como as que eu li impressas no livro que, enfim, chegou para mim na hora do almoço...

Não vejo a hora de sentir aquelas palavras...Aquelas que torci tanto para que chegassem.

Um beijo enorme,

Renata Sperandio.

Babi disse...

Cris, uma amiga me falou sobre os dois blog: hoje vou assim e esse, para francisco. Chorei em vários posts. Linda a sua força e o modo como levou as coisas. Lindo seu trabalho!Prova de que Deus da o frio conforme o c0obertor que temos.Parabéns pelas vitórias de sua vida!

Beijos em você e no Francisco (que pelas fotos é simplesmente lindíssimo!!)

Sucesso e luz!

Bárbara Moreno

ANDREA MENTOR disse...

Lindo Cris!!

Vítor Carvalho Ferolla disse...

O PAVA está fazendo uma Newsletter só para blogueiros e dessa vez é sério.

Para entrar na lista basta me enviar um e-mail com seu Nome, E-mail e Endereço de Blog e Data de Aniversário para:

amigodopava@gmail.com

Obrigado!

Rodrigo disse...

Descobri só hoje seu blog. Comecei lá de trás, lendo tudo que o pouco tempo que se tem hoje em dia permite. Fiquei com meus olhos mareados várias vezes.

Sou filho de um Francisco e pai de outro. O Francisco pai eu perdi quando eu tinha 15 anos, ele 37. Um homem bom, justo, bacana, que é o grande modelo do pai que sou.

O Francisco filho (ou neto) tem 7 anos, e é um moleque encantador, bonito, esperto, que de vez em quando me deixa desconcertado porque chora de saudades de um avô que ele nunca conheceu.

É a vida. Parabéns pelo blog.

Fernanda disse...

Olá minha nova querida, descobri esse blog hj. O outro entrava poucas vezes.

Algumas coisas não precisam ser ditas mesmo, então eu deixo vc imaginar oq eu senti lendo todo seu blog, só uqero dizer que eu chorei como o francisco chora (como vc falou em um post), não de fome, não de sono, nem de outra coisa que bebes choram, mas de emoção.

Obrigada por essa lição linda que vc me deu hj.

Gostaria tanto de conhecer vc, talvez trocar e-mails, sei lá...

agradeço por oq vc me acrescentou em minha vida hj e agradeço a vc pelo Francisco pq vc só tem dado exemplos lindos de quem era seu pai, ao contrario do q eu ganhei de minha mãe, ela nunca falou bem do meu (que se foi quando eu tinha 4 anos e hj tenho 23), minha sorte é q Deus me permitiu guardar muitas lembraças dele apesar de ser mto nova.

uma dose de amor gigante no seu coração!

flo disse...

Conseguí achar o inicio! 19 de julho de 2007?
Sobre as palavras...só precisam ser ditas quando forem mais importantes do que o silêncio.

Esse blog me foi apresentado por uma amiga do Canadá. Maravilhooso. Vou atrás do livro. História linda, e continua...

Bjs.

Luiz Felipe Leal disse...

e algumas sim. às vezes temos que arriscar.

Gabriela Maniero disse...

assim como tantas outras pessoas, descobri seu blog, que tem feito tanto sucesso.
e já sou fã!
pode ter certeza que está entre meus prediletos...

obrigada por nos proporcionar esse blog.


beijo cheio de admiração!

Gabi Maniero

disse...

Outras sim, né?!
Palavras machucam às vezes...

Ibô disse...

Você é maravilhosa!!
Adoro as coisas que você escreve.
Essa frase ilustra exatamente o momento que estou vivendo onde "algumas coisas de fato não precisam ser ditas" como você falou.
Cris mil beijos

Veronica Luz disse...

Basta senti-las e não há espaço pra mais nada...nem para palavras!
Torç muito e sempre por vc e pelo pequeno! Lindo livro!