quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Do alto da minha ignorância.

Não foi nenhum livro que eu li. Não foi nenhum filme que eu vi. Foi o que me foi dado a viver e o caminho, o único, o que encontrei para respirar. Foi a minha ignorância. Minha não pretensão, o meu não julgamento e uma lente de amor a distorcer (ou revelar?) a poesia. Antes de ser dúvida, já era texto, já era lido, já era. Arte por ser expressão legítima do que o coração gritava. E assim, inteira, absolvida pela ignorância, cometi a simplicidade de dizer o que sentia. Fiz, sem saber que a sinceridade era um atrevimento. E acho que vai ser sempre assim.

38 comentários:

flo disse...

graças a esse "atrevimento", passei a ver a vida com muito mais poesia...parei para prestar atenção, ver que eu tinha que me conhecer melhor, me assumir e até dar mais pinceladas no meu dia-a-dia, saber que ninguém é uma ilha...
ignorância santa... e sábia, sem saber...ignorante é qualquer crítica ruim a esse tão divisor de águas. sempre o será prá mim!

Regina disse...

A sua sinceridade, compartilhada com todos nós, é um doce na boca de uma criança.
É ver como a vida pode ser mais bonita, mais colorida.
A sua generosidade em compartilhar com "meros deconhecidos", uma história tão sua, nos faz sentir melhor, nos faz ver uma luz (nem que seja lá no final do túnel).

Cris, eu tinha depressão. Passei duas semanas de "cão". Uma angústia desesperada, uma infelicidade não sei de onde. E cada vez que me vinha isso, eu abria seu blog. E, juro, me sentia melhor -acalentada - em seus textos. Em mergulhar no que você diz. Por isso te elegi minha "professora de natação". Afinal, assim como você, eu resolvi nadar contra a correnteza. E funcionou.

Te quero atrevida sempre ;)

Um beijo no coração.

Mãe das Borboletas disse...

Então seja atrevida sempre, porque tanta gente beneficia disso :D

Você é uma pessoa iluminada!

Beijos enormes para você e para o Cisco

Débora Rubin disse...

Seu livro é lindo...ganhei ontem do meu marido, uma surpresa deliciosa. Dormi lendo, acordei lendo. E não paro de chorar e sorrir.

Obrigada por dividir com a gente a sua história.

beijos para vc e para o teu pequeno

amelie poulain disse...

dizer o que se sente é sempre a melhor poesia...

Por que não? disse...

Viveríamos em um mundo infinitamente melhor se todos tivessem a simplicidade e coragem de dizer o que sentem...
O seu atrevimento tem a capacidade de iluminar a minha vida... por favor, não deixe de ser atrevida!

Léia Carvalho - LC disse...

Atrevimento! Sempre.

PS: Seu livro está na minha lista de presentes. Na lista que vou dar e de que vou ME dar

Romina disse...

Cris,

Descobri seu blog através de outro blog...e agora estou lendo ele todinho como um livro. Já sorri, chorei, cantarolei...como é gostoso ler o que você escreve. Já encomendei seu livro e estou louca para ele chegar.
Reforço o refrão acima...continue este atrevimento...afinal estamos tanto carentes dele em nosso dia-a-dia.
Beijo e muita luz para você e o Francisco.

Romina

Lisa disse...

Andas tão enigmática..."aprendizado de hoje", "do alto de minha ignorância"... isto é um novo amor?!

Piutz disse...

Tão claro quanto escuro estarmos em um tempo que sinceridade é atrevimento, né?

*^^* disse...

Viver é atrerver-se aos sim e ao não que a vida nos proporciona, é rir e as vezes parecer tolo ou até mesmo louco. Mas antes ser atrevido e VIVER do que ser normal e ter uma vidinha mediocre com medo do que possa acontecer.
Nada de ser abajur e ficar no "seu cantinho" o legal da vida é atrever-se e ser mesmo é a mesinha de centro.

Um Grande Beijo.

Gleice Gude.

Mariana Brizeno - Usa-me Senhor! disse...

Cris, essa carapuça me serviu...

Realmente, tem muita gente que acha que ser sincero é atrevimento demais. Vou seguindo assim então, às vezes sendo fingida, às vezes sendo atrevida....

Tô longe de ter a tua coragem tão admirável.

Alice disse...

Cris se é q posso chamar vc assim, acho q mesmo não te conhecendo e nem sabendo se um dia chegarei a conhecer, quero q saiba que acompanhei todo o seu blog chorei e ri com tudo oq foi dito lá ...
E apesar de nunca ter te conhecido não tem como não ter afeto por alguém q divide um momento tão importante como o seu com todos nós.
Acabei me afeiçoando como se vc fosse uma amiga ou até mesmo uma prima de longe mais q sempre lembra mandando cartas e relatando fatos ocorridos da sua vida.
Acabei criando um pra mim só pra poder divir as dores e desabafar sem ter q ter olhares me julgando ou simplismente sentindo dó do que escrevia ...E vc quem me deu a maior força pra q isso fosse possivel. Por isso digo q mesmo km de distancia ainda conseguimos ter vinculos que as vezes não temos de pessoas q esta ao nosso lado .
Obrigado

Mari disse...

Cris,

Ainda não terminei de ler todas as suas postagens, mas estou tão envolvida pela beleza da sua história... e quanto mais eu leio, mais me convenço de que a sua história daria um filme. Um filme sensível e cheio de poesia, leve, triste e alegre ao mesmo tempo. Estamos precisando de filmes com histórias como a sua. Fico imaginando o João Miguel e a Débora Falabella interpretando os papéis. Já imaginou? A Débora é tão delicada que não consigo pensar em alguém melhor para interpretá-la. Deixando de lado meus devaneios, quero dizer que admiro a sua história e a sua garra. O seu exemplo me inspira a amar cada dia mais o meu marido. Quando ele chega em casa, às vezes sua história passa rapidamente pela minha cabeça, e isso me impulsiona a também fazer poesia com o amor que sinto por ele.
Obrigada por isso.

fran disse...

Nossa a cada dia que passo fico masi encantada com você e o Cisco, ja tenho o livro, estou finalizando a leitura. Agradeço pelas uas palvras, elas ns fazem dar a valor as pessoas que estao em minah volta, seja o namorado, família ou companheiros de trabalho. Bjs pra ti e pro Cisco!
*Gostei da sugestão do filme da Mari!

Zina disse...

E fez muito bem!
Admiro muito a sua coragem, e a forma poética de relatar as coisas do dia a dia, as dores mais profundas e as alegrias!
Desde que que conheci o "hoje vou assim" e o "para francisco", a minha forma de encarar a vida mudou... para melhor, e por isso-Obrigada!
Parabéns pelos blogs e pelo livro também.
Tudo de bom*

nana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
nana disse...

parabéns, cris, pelo trabalho tão bonito! eu e as meninas de lá(www.asmeninasdela.blogspot.com) te acompanhamos há um bom tempo, é quase impossível não ancorar o barco aqui de vez em quando! Se der, visite nosso canto, e outra casa, esta minha, www.calungacorderosa.blogspot.com. abração!

Lari. disse...

Você tem razão, Cris. A sinceridade é um atrevimento. Descobri isso a pouco tempo. E não se tratava de uma verdade dura e cruel que eu expunha. Era apenas uma verdade, comum, sincerda. Pelo visto machucou. Pelo visto, eu fui atrevida o bastante para dizer o que não era hora de se ouvir, mesmo não sendo algo ruim.
Abraço!

Cristina Costa Cox disse...

Cristiana

Acho que falar da gente sem se preocupar e dizer coisas doem e sentimos sempre vai ser um atrevimento. Vou aguardar seus post atrevidos. Bjs para vc e para o Cisco.

Jana disse...

Adoraria aprender, um dia, a ser um pouco como voce e saber levar a vida assim... na poesia.

:)

Ana Flávia disse...

Hoje tinha uma consulta no médico, antes de ir, passei na livraria para ver se tinha seu livro, a moça me mostrou e fiquei olhando para pilha de livros, sorrindo antes de pegar o meu... e falei p ela: Leia, também viu?? Lá fui eu para a consulta acompanhada por vc, Cisco, Gui e outras tantas pessoas citadas no livro! Logo na primeira página uma dedicatória para mim, sim! Eu sou uma Francisco! Li seu livro nessa tarde, e não que o médico tivesse demorado, mas sim minha vontade de ler tudo...em um pequeno instante olhei para uma senhora, com seus filhos, e fiquei pensando: Será onde está seu marido? Olhando e identificando muito com a sua história, com o pensamento voltado para minha mãe, sei que muitas coisas que vc escreveu ali, ele sentiu com a perda do meu pai! E outras tantas coincidências, na parte de JK estava de frente ao Congresso Nacional, obra do grande Oscar,melhor que imaginar e ver, da obra que vc está falando! Parei um instante e descobri lendo que somos parentes...rs, o sobrenome do meu pai é Theodoro de Souza! Não pude conviver com ele, mas convivo diariamente com a sua falta! Essa vida é um tantão engraçada!! Obrigado pelo para Francisco, para Marias, para Pedros, e principalmente para EU!
Vc é uma menina incrivél sabia???

Ana Flávia

Bel disse...

... que assim sempre seja!
Um beijo, Bel.

Letícia disse...

Do alto de minha ignorância me atrevo a dizer o quanto a sua tem me ajudado. Desde que descobri o 'para Francisco' passei a entender que existem dores maiores e coisas mais grandiosas a serem realizadas, mesmo que de forma sutil e inesperada, em nossas vidas. E vejo isso por meio de suas palavras atrevidas, que percebe-se serem escritas com uma paixão que não se vê todos os dias! Obrigada, Cris.

ANDREA MENTOR disse...

Cris, é um atrevimento, certeza! Beijo

Bruna Rieper disse...

ahh o atrevimento....

seu blog é maravilhoso, o descobri a pouco..e já estou completamente viciada nele, entro todos os dias..
Ele me deu um conselho maravilhoso, (que apesar de todo meu orgulho) devemos amar as pessoas, como se o amanha nao existisse,amando e deixando ser amada por todos...aproveitando cada segundo...
isso me tornou uma mulher mais maleavel, e amavel com certeza...

seu livro já está na minha lista de presentes pro Natal...

Parabens, mto sucesso e felicidade, para vc e para o Cisco!

Barbarella disse...

Cris... entrei aqui por acaso e li seu blog inteiro...entre lágrimas e sorrisos...lindo simplismente linda a sua história...
Mais acima de tudo...tua força,diante de tudo...
Tenho um filho de 4 anos...como nossa vida muda depois dessas figurinhas...vc não vive pra vc..vive pra ver o sorriso dele ...escutar aquele mamãe maravilhoso...ai vc ve que tem a obrigação de ser forte...é assim que vejo a vida desde que meu anjo gabriel nasceu....
Tenho um história muito parecida com a sua...mas no meu caso eu sou a filha...meu pai faleceu, minha mãe estava grávida de 6 meses... graças a força dela estou aqui....feliz...
Bjs e força o Cisco vai te agradecer por isso!

Amélia disse...

Uma capa branca, um nome me chamou atenção, " PARA FRANCISCO," a minha intenção não era entra na loja e comprar, era só passear e se distrair,olhei, folheie, pensei pq o titulo? e sair, já voltando pra casa pensei, falta alguma coisa, e voltei, peguei,pensei, inusitado é o titulo, e finalmente comprei, li e chorei, com uma historia triste, mais ao mesmo tempo bela, cheia de amor pura e verdadeiro. Parabéns!!! foi o melhor livro que li em 2008. um xero

Kardeika Amélia Lopes

Renata Rocha disse...

Amem ! Que assim seja !
Um beijo no Cisco e outro em vc !

INGRID SCHERDIEN disse...

Lindo, lindo, lindo.
Conheci seu blog através de uma reportagem na revista Criativa, de Dezembro.
Fiquei emocionada com suas palvras.
Força, fé, alegria.

Abraços.

Giuliana disse...

Oi Cris,
Cheguei ao seu blog “Hoje vou assim” não me lembro como e de lá fui parar no “Para Francisco”. Me encantei com seu jeito de contar sua vida de forma tão leve, tão doce e delicada. Lí o blog todo, do início ao fim. Me emocionei bastante em vários trechos. E desde então, praticamente todos os dias, dou uma passada por lá.
Um dia desses, meu irmão deixou um comentário em uma foto minha no orkut e quando fui “bisbilhotar” o orkut dele, você estava logo na primeira página, entre os seus amigos. Tinha também uma mensagem sua para ele, sobre o lançamento do livro. Fiquei muito feliz com a coincidência e comentei com ele quando nos encontramos. Então, depois de te elogiar um bocado, ele disse: “Manda uma mensagem prá ela, fala que você é minha irmã. Ela vai gostar de saber.” Ele é Rodrigo Guimarães e disse que também conheceu o Gui.
E prá completar minha surpresa, você também está entre os amigos de uma grande amiga de infância minha, a Gilka, mãe do Henrique lindo!
Então era isso que queria te dizer. Adoro ler seu blog, adoro a forma com que você escreve e, principalmente a sua sensibilidade para transformar sentimentos em palavras tão doces.
Parabéns pelo livro. Ainda não lí, mas tenho certeza que está lindo como o blog.
Um beijo
Giuliana Guimarães

Erica Vittorazzi disse...

Melhor dizer o que se sente sempre, pois nunca sabemos quando o outro vai partir, e dessa forma sempre ficará coisas a serem ditas...
Adoro a sua alma de poeta!!!

andrea-ponte disse...

Oi, Cris,

Comprei seu livro ontem (em uma das Sicilianos de Fortaleza) e acabei de lê-lo ainda agora. Não consegui desgrudar dele até sorvê-lo por inteiro. Sua história de vida é tocante, sua coragem (melhor, talvez, seria dizer "sua resignação") para enfrentar a adversidade foi e é admirável, mas nada disso explica o poder que suas palavras exercem sobre quem as lê. E o que explica, então???
Simples: você saiu do automático. Do automático no qual é tão fácil nos encaixar quando a vida só nos sorri (ou, pelo menos, quando a vida não nos faz careta). Como podemos achar que não vivemos no automático se não paramos para entender quem somos, de onde viemos e para onde vamos? Se não fazemos a conexão entre a criança que fomos e o adulto que somos? Se não antecipamos o velho que seremos? Foi isso que você fez, Cris. Você, como eu (também tenho 38!!!) se encontra nesta encruzilhada entre o que foi e o que será. "para Francisco" foi o inventário de sua vida até agora. Parabéns, Cris.
Uma coisinha, ainda: Difícil não acabar de ler seu livro sem me sentir sua amiga íntima. Que bom que o livro continua no blog!

Andréa

Fernanda disse...

- atrevimento? aventura? desabafo? ignorancia? pretensão?

Seja o nome que for, a forma a essencia o importante é que foi o ato mais lindo e simples que fez de vc Cris o que és... letras que tocam a alma...

bjos mil para vc e Francisco :D

Marlla Farias disse...

Oi, Cris!
Saiu hoje uma matéria sobre vc, num jornal daqui de Salvador, o Correio da Bahia.
Vc viu?

Beijos.

Luiz Felipe Leal disse...

também acho.

Patricia Lins disse...

Seu blog está cada dia melhor!

Seu "atrevimento" tornou-se uma luz muito bonita para tanta gente, inclusive eu. Pode não parecer grande coisa, mas, é enorme para quem lê!

E, indiquei para uma amiga, que acabou de perder o marido, de maneira inesperada e com pouco tempo de cadasdos. A troca de experiência com amor é o que falta na humanidade. Ajudar-se, ajudando é uma maneira muito bonita de crescer.

Beijos!

Baton e etc... disse...

Depois de "mordida" pelo atrevimento e pela paixão de escrever não conseguimos voltar atrás.
Feliz Natal!