sexta-feira, 6 de junho de 2008

Nem sempre.

Nem sempre a saudade é querer que o tempo volte. Ontem vi uma mulher grávida atravessando a rua e reconheci nela um semblante que já tive. Lembrei o tempo em que você estava aqui dentro, filho. Andar por aí levando a felicidade na barriga. Hoje, eu e você somos dois. Gosto tanto. Não trocaria esse momento pelo anterior, como também não daria o que tenho para ter o seu pai de volta. A vida na sua medida. Aceitá-la é sábio: transformar a saudade em boa de sentir. Nem sempre a saudade é querer que o tempo volte.

37 comentários:

..monaLou disse...

Também não daria o que tenho hoje pelo que já tive, mas sinto uma saudade enorme.
Saudade boa, que faz a gente querer ir pra frente.
Penso sempre em você.
Um beijo grande
Ana Paula

daniela disse...

O bom seria ter uma máquina do tempo, também justo. Só para dar uma passeada por outros tempos... Não ficar parada!!Adoro esse lugar.
Ser de e ter alguém é jamais deixar de ser e ter. O tempo movimenta tudo, mas quando o movimento é intenso demais parece que está tudo parado.
bjs dani

Sabotando o Lúcido disse...

Assim segue a vida do caos o tema da poesia.

Michelle Müller disse...

Báh moça que tuas palavras falam tão manso e sincero ao coração... é sempre um momento de benção ler tuas palavras que sei são para o pequeno Francisco, mas que as vezes penso que também podem ser pra mim!
Obrigada por ser generosa mesmo quando poderias ser egoísta!

estrelinhas coloridas pra ti e para Francisco!

vanessa disse...

oi Ana!Não te conheço pessoalmente, mas ontem li sua história na revista Seleções.Me Tocou!Quis conhece-la melhor e entrei no blog.É tão bom saber de pessoas que não deixaram de viver mesmo passando por momentos difíceis. Isso nos faz olhar para nossas próprias vidas e parar d reclamar d qualquer coisa que nos ocorra, porque vemos q não é nada. Seu filho é lindo, o pai dele foi(é)um grande cara. Espero um dia conhecê-la pessoalmente. Bjos...fica com Deus!

Nayra Garofle disse...

Olá Cristina, esse seu blog é muito interessante.
Conheci a sua história pela revista Seleções. Me fez lembrar, de alguma forma, a história de Randy Pausch, um professor americano que escreveu "A lição final".
Com essas duas histórias, cada vez mais, tenho a certeza de que devemos dar valor aos nossos momentos. Viver o presente, sempre. Esse é um ponto fundamental estudado pela Doutrina Espírita, que sigo assiduamente há três anos.

Passarei por aqui mais vezes.
Aproveite, se der, para visitar meus blogs também.

Bjs,
http://transparecendo.blogspot.com/

Daniela disse...

Vc escreve bem d+, sempre me emociono... já pensou em escrever um livro ???

Anônimo disse...

Também tenho vontade que o tempo volte. Sempre tenho na minha cabeça que eu era feliz e sabia...
Blog lindo, vi a reportagem na revista SELEÇÕES e vim te visitar. Beijos, passa lá no meu!!!!

Letinha disse...

O comentário acima é meu. Saiu como anônimo desculpe!

Jú Sun disse...

Olá

Obrigada em compartilhar a sua história e as sabias palavras conosco.
Sempre visito o seu blog, pois sei que sempre irei encontrar conforto.

bjks mil

Renata Rocha disse...

Concordo ! "Nem sempre a saudade é querer que o tempo volte."
Consegui 3 doadores para o Antonio Carlos, estao indo ao Biocor hoje.
Um beijo enorme em Cisco por mim !

Anônimo disse...

Um dia eu aprendo a ter uma saudade igual a sua!!!!!
Bjinhos

Anônimo disse...

Olá Cristina... cheguei até seu blog através do "Hoje vou assim". Fiquei emocionada!!!
Sou mineira em terras nordestinas. Não sei se conhece mas quero compartilhar com você um texto que considero lindo e que minha mãe sempre distribuia a todas as mães que ela conhecia. Muito amor pra vc! Ana Cristina - anaccabral@gmail.com


Minha Pedagogia

Dom Helder Câmara

Não ensine a seu filho
que as estrelas
não são do tamanho que parecem ter:
maiores do que a terra!
São lâmpadas
que os anjos acendem todos os dias
assim que o sol
começa a escurecer...
Não diga a seu filho
que as asas dos anjos
só existem na imaginação.
Já vi meu anjo em sonho
e posso jurar
que ele tem asas claras
que até parecem feitas de luz.
Não encha a cabeça de seu filho
ensinando-lhe hipóteses precárias
que amanhã de nada servirão.
Povoe de beleza
o olhar inocente de seu filho.
Dê-lhe uma provisão de bondade
que chegue para a marcha da vida.
Infunda-lhe na alma
o amor de Deus
- e tudo o mais,
por acréscimo,
ele terá.

Anônimo disse...

Olá Cristina...Não te conheço pessoalmente, vi uma matéria sobre sua vida no Globo Repórter me emocionei...Obrigada♥♥♥♥♥ pois mesmo sem você saber sua história me motivou a continuar a caminhar... eu estava extremamente deprê e vc com suas palavras me deu um Up.... Como dizia Carlos Drummond de Andrade:
Amor é privilégio de maduros
Sandra Patrocinio
sanpatrocinio@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Olá! Passei por aqui ontem,estou passando hoje e vou continuar sempre! Hoje que li o blog melhor realmente você é encantadora! Suas palavras confortam e inspiram qualquer pessoa. Tudo de melhor para vocês dois!

Nana disse...

Puxa vida, muito bonito.

Michelle disse...

Vc escreve lindamente!!! Suas palavras são poesia pura e todos os sentimentos q vc narra, no fim sempre viram amor!!! Como uma história tãoooo triste pode ser tãooo linda?? Estou viciada no seu blog e estou mostrando para as pessoas "sensíveis" que conheço. Parabéns por ser essa pessoal tão grande e forte por dentro. Bjos

Anônimo disse...

É por essas e outras que este é o único blog que eu frequento! Parabéns, Cristiane! Sua sabedoria e capacidade de traduzi-la em excelente português são admiráveis... Bjos pra vc e pro Cisco!

Bianca disse...

às vezes tenho vontade que o tempo volte, mas...
Eu também não daria o que tenho hoje pela saudade de ontem!
Hoje eu tenho um Caio(meu filho) em minha vida, que me faz muito feliz, sempre!
Não me vejo mais sem ele. Olho para trás e sinto uma saudade gostosa e nada mais.

Um beijão!
Bianca

disse...

Impossível ler e não se emocionar...ví tua história hj na Seleções. Fiquei abismada com tamanho amor, força e luta. Parabéns mulher!!!! Vc é uma guerreira e tenha certeza de que tua missão é árdua e belíssima. Depois quero ler tudinho, com muita calma. Tbm tenho um blog, se puder, nos visite!!!!
Bjs no seu coração

Valentina disse...

É lindo isso, Cris.Ajudar tanta gente com suas palavras, com seu amor.E por isso não há nem como agradecer, só se alegrar.
K

lissa disse...

Como és iluminada..Deus te abençoe....suas palavras me chegam a alma..
beijinhos com todo meu carinho! S2

Anônimo disse...

"Ninguém morre enquanto viver no coração de alguém" Dá a dimensão exata das palavras que voce um dia ouviu: "Amor, eu não vou morrer nunca. E voce também não". Deus, que nunca te abandonou, continua contigo, na tua força, no amor do teu Francisco...

Zaah disse...

Nem sempre queremos voltar ao tempo, mas que a saudade dói, ela dói.

Danielle Balata disse...

Realmente, o tempo é o senhor da razão. E por que voltar ao tempo, se ele nos dá a chance de cada dia viver uma coisa nova?

Beijos.. e bom final de semana.

Isa Rosa's disse...

Dando uma olhada em alguns blogs legais, acabei esbarrando no seu blog "hoje vou assim", achei as roupas mto meu estilo, mas acho que eu tava um pouco sem "saco" pra ler, eu queria uma outra coisa, nem sabia direito o q era, pois por um milagre tava sem mto trabalho naquele dia, quando li no cantinho "meu lado avesso"... Me interessei mto em descobrir. Então achei esse blog aqui, devorei quase tudo que você escreveu, me emocionei muito, chorei em alguns, senti orgulho de você em outros, e principalmente me adimirei da sua coragem.
Olha, mesmo sem te conhecer gostaria de declarar que torço muito por ti e pela tua felicidade, que vcs dois tenham uma vida mto boa.
O mais importante o Francisco já tem, muito AMOR e mto CARINHO.
E agora resolvi ir no outro blog de novo e já to apaixonada... hehehe...
Coloquei os dois links no meu blog e quero vim sempre pra ler td, além de escrever d uma forma mto legal, todos os dois blogs me interessam em história e divesão.

estrela disse...

Olá, não me conheces, mas eu conheci um pouquinho de ti nos posts deste blog.
Não tive intenção, mas chorei minhas perdas nas tuas perdas. Senti-me acalentada de alguma forma e, como se estivesse recostada no ombro de um amigo, eu desabei. Chorei as saudades, as perdas, chorei até por mim. E me senti mais forte. Me perdoe a intimidade, mas mando um beijo à tenaz mãe do Cisco

Roberta Samapio disse...

Oi,foi tão bom abrir a Seleções que chegou ontem,e de repente,dar de cara com a sua reportagem...Eu reconheci porquê já tinha lido ao blog e tudo,mas me fez bem ver você compartilhando sua história mais uma vez...Porque,não sei se você sabe,mas ver você falando da sua história,que muitos podem definir apenas como uma tragédia, traz a fé de que em tudo há algo de bom,que Deus escreve mesmo certo por linhas tortas. E o cisco(tá,que já me apropriei) é a maior prova disso...Quer benção maior que uma coisinha gostosa dessas??
Parabéns por tudo.Pelo blog,pela fé,pela leveza,pela força,e claro por essa criança linda!
;DD

MANU AO PÉ DA LETRA disse...

Eu concordo com vc. Nem sempre a saudade faz a gente querer reviver o passado.

Juliana Motzko disse...

Lindo!

Seu blog sempre me emociona. Sempre!

Mala disse...

Acabei de ler seu texto nas Seleções.
Fechei a revista e corri pro pc prá ler o que mais você tem a dizer. Lindo, comovente, confortador.
Parabéns!

Aninha Bitten disse...

Cristiana... teu blog me foi apresentado por uma professora, pois eu estou trabalhando na minha monografia sobre a psicologia do luto e ele me deu essa dica sobre você... é impossível não ler o que tu escreve sem ficar com um nó na garganta, ao confirmar que o amor é maior do que tudo nesse mundo. Também sou mãe. E posso te dizer que meu filho também não tem o pai presente, mesmo ele estando vivo e morando a poucos bairros distante de nós dois. Mas enfim, cada um faz suas escolhas e o pai do meu Gabriel fez a dele.
Dia desses encontrei um texto lindo, do Caco Ciocler, ator, que me emocionou profundamente. Foi escrito para o pequeno Bruno, seu filho. Transcrevo pra ti, com amor e carinho:

"Filho, a nossa vida é como uma canoa navegando num rio misterioso. Uma canoa que você vem construindo, filho. Agora é hora de navegar!!! A canoa tem dois lugares: um de passageiro... outro de condutor. Tem gente que navega o rio inteiro sentadinho no lugar do passageiro... Esse lugar é, talvez, mais confortável. Você vai sentado, protegido do vento, da chuva... Mas quando o rio acaba, percebe triste que acabou... E que não foi você que escolheu entrar ou não naquela curva ou bifurcação que o rio oferecia. Foi levado pela correnteza. Outros preferem o lugar do condutor, ali na frente, tomando chuva na cara, vento, sol na cabeça... Tendo que manter a canoa firme... decidindo a cada oferta do rio, um caminho... Esses geralmente tem a pele marcada, cicatrizes, um olhar firme, forte. E a alma feliz. Navegue, filho. Teu rio ta só no começo. Eu vou ficar aqui, olhando a tua viagem... Orgulhoso, torcendo para que você caminhe sempre na direção do condutor da tua canoa. E vou estar aqui, na canoa ao lado, cheio de salva-vidas, bóias, cordas, caixas de primeiros socorros... Qualquer merda... eu te ajudo a voltar pro teus lemes e remos. Boa viagem. Eu amo você." (Caco Ciocler)

Anônimo disse...

Saudade é um cantinho cheiroso embrulhado em algodão doce, recheado de mel e sentimentos.É bom deixar lá, quietinho e quentinho pra de vez em quando revisitarmos.
Cris, amo seu blog e acho as tuas palavras puro mel, poderia ser fel, mas a tua coragem e fé na vida faz uma baita diferença neste mundinho por ora oco em que habitamos.
Bom domingo, Carol

Rívea disse...

"Aceitá-la é sábio." - suas palavras falam por si.

Grande abraço, ^^

Ana disse...

Fico pensando se a mulher grávida era eu...quem sabe? pois estou na reta final da minha gravidez e passo por uma situação não sei se mais difícil que a sua. O pai do meu filho não morreu, mas se ausentou de toda a gravidez e só me trouxe problemas. Suas palavras dão força e mostra a beleza mesmo na dor. também vou aprender a ser assim. Ah, o nome do meu filho: Guilherme. Bjos, ana

Bárbara M.P. disse...

É isso, Cris. Só e exatamente isso.

...

Karen disse...

É verdade Cris, nem sempre.
Mesmo não tendo a minha Valentina mais comigo, não sinto saudade da gravidez. Se ela não tivesse nascido eu nunca teria visto seu rosto tão lindo...

Também somos duas agora. Cada uma onde deveria estar. Eu aqui, e ela lá me dando força "vai ser feliz mamãe".

Bjos