quinta-feira, 27 de março de 2008

Sem saída.


É assim todo dia. Toda vez que ouço a sirene de uma ambulância. Sentada ao volante do carro, parado ou não, eu me lembro de ouvir uma sirene que eu sabia ser em vão. De uma última esperança que não pensa, não raciocina, só faz correr para salvar. Lembro dessa burrice bonita de que é feita a última esperança. Eu me lembro de insistir em não acreditar no que meus olhos gritavam para eu ver. Lembro de um buraco na porta, de uma porta que era só uma das coisas que naquele momento me separavam dele. Lembro de finalmente conhecer o que seria capaz de nos separar, o que seria capaz de me fazer desistir dele. Eu me lembro de lembrar do medo e então tudo fazer sentido. De uma vontade de estar errada, como das outras vezes. Eu me lembro de estar cercada por uma verdade. Minutos antes, um telefone que tocava, tocava, tocava. Antes ainda, um email sem resposta. Diante de mim, o silêncio e a não explicação. No pensamento, sonhos que eu não admitia mortos também. Atrás de mim, uma despedida que não foi. E acima da minha cabeça, um céu azul ensolarado, iluminado de realidade. Eu me lembro da dor de pensar que nunca mais haveria resposta. Lembro de um desespero e de voltar atrás na tentativa de não acreditar. Para que não me faltasse o ar. Lembro de um turbilhão de pensamentos rápidos envoltos por um mundo parado. Como se eu não respirasse, embora eu respirasse. Como se o meu coração também tivesse parado de repente. Como se permanecesse não batendo por instantes, minutos, horas. Eu me lembro de imaginar a suavidade violenta que deve ter sido aquele segundo entre o estar e o não estar mais. Eu me lembro de um silêncio agudo que ainda insistia. E de não saber para onde olhar. Lembro de uma dor ao olhar em determinada direção. E de ainda conferir, como se a qualquer momento a vida pudesse mudar de idéia, como se alguém estivesse prestes a desfazer aquela brincadeira de mau gosto. Eu me lembro de não entender. E de ter a certeza de que ele não estava mais ali. Entre mim e seu pai, a vida. A morte. Entre você e seu pai, eu. Eu me lembro. E talvez seja mesmo necessário lembrar. Para então sentir a intensidade. Eu me lembro de procurar essa lembrança – e isso faço todos os dias. Para doer de novo e assim acelerar o coração, inspirar e expirar forte. E então querer viver. Como quem se prepara para uma luta. Como adrenalina. Como uma fúria que, enfim, é força. Eu me lembro de uma lembrança que sempre volta urgente. Já faz mais de um ano, eu ainda me lembro e acho que nunca vou esquecer.

46 comentários:

Anônimo disse...

Um abraço apertado prá ti:
Pequena de alma grande!!

Beijo,

Adriana(Diana)

sayô disse...

Bom Dia Cris!
Desde ontem que leio suas dores, suas alegrias, o seu amor, ... SUA VIDA!

Ontem, qdo fui comentar num blog, q tenho hábito de visitar, tinha um outro comentário que indicava o seu blog. E até aqui cheguei.

Neste outro blog, tb de uma pessoa linda e de uma sensibilidade aflorada, ANA JÁCOMO, autora do texto, ALMAS PERFUMADAS, texto este escrito um mês após da VIAGEM de sua vózinha. Mto belo o texto! Conheces? Caso não conheça, posso enviar para você,ok? Vc vai gostar, tenho certeza.


Tenho mania de catar excertos dos textos que leio, e li em posts anteriores seus :


"É esse nosso poder transformador: fazer da dor emoção boa, fazer da falta encontro."

E hj mais uma vez vc transforma maravilhosamente sua dor qdo diz:


"Para doer de novo e assim acelerar o coração, intensificar a respiração e então querer viver. Como quem se prepara para uma luta. Como adrenalina. Como uma fúria que, enfim, é força."

É Cris, é esse poder transformados que possuímos sim. E q muitas das vezes nos vitizamos com nossa dor, para não correr atras da VIDA, q está aqui conosco!

beijo na alma
Deus proteja vc e Cisco

Luciana disse...

Cris,
poucos conseguem fazer da dor força, da saudade motivo para dizer que valeu a pena tudo o que foi vivido ...

Um lindo dia pra vc e pro Cisco, beijos com carinho

Gilde Aquino disse...

Cada vez que leio seu blog é sinto um arrepio diferente, de uma mãe intensa, uma amante incansável, uma guerreira delicada, e um amor enterno.
Vejo todos os dias o blog hoje eu vou assim, e tento imaginar em meio a tanta delicadeza, como cabe tanta força nessa mulher?
Parabéns pelo que vc é Mulher.
beijos e um lindo dia!

Anônimo disse...

Cris, me perdoe a ignorância, a indiscrição e até mesmo a impaciência, pois estou lendo o blog todo em doses homeopáticas, mas qual foi a causa da morte do Guilherme? Por favor, não se ofenda com a minha pergunta, é apenas curiosidade de alguém que te admira muito. Se preferir não responder, entenderei. Mil Beijos.
TATA - SÃO PAULO/SP

Anônimo disse...

Cris, já passei por uma situação parecida com a sua, mas a minha esperança continuava mesmo no hospital. Mas ñ adiantou esperança, só restou a realidade. Como é difícil acreditar. De onde vem a força pra viver os dias sem a presença do outro?? Como conviver com a ausencia das respostas?? Td mto complicado! Mas vc faz isso muito bem, por isso é tão admirada, querida!!!
Paz e força pra vc!!!
Beijos

dri disse...

Cris, parece que vc escreveu isso para mim. Já passei por coisa parecida, vc sabe. Hoje fazem 3 anos que o Beto se foi ...e é muito triste.

Anônimo disse...

nossa... vc escreve muito bem. bjs com carinho...

Pri... disse...

Lindo... Intenso... Triste... Verdadeiro... Isso é VIDA! E uma mulher que acaba nos dando o exemplo de que até a mot pode se transformar em muita vida. Com nome e sobrenome. Feita de muitas pessoas. E muitos corações que compartilham caminhada cheia de dores,lembranças, conquistas, e um amor incomensurável por uma criaturinha que vai ter registrada uma história que também é sua, uma mãe de quem ele vai se orgulhar...

Anônimo disse...

Bom dia.
Conheci seu blog há alguns dias, e admiro a sua força por tudo relatado aqui. Tenho uma filha tb, a qual crio sem a presença do pai, pq ele quis assim, e ainda não se importa como ela está ou não, e muitas vezes me enteguei as lágrimas por essa situação. Lendo seu blog, aprendi q muitas vezes as pessoas escolhem as privações, como o caso do pai de minha, e q outras, a vida nos obriga a viver com a ausência. Mas vc consegue viver essa ausência de uma forma q impressiona, e a força q vc está demonstrando, tb é uma coisa linda.
Beijos e muita luz a vc e o Francisco
Ana Paula

Anônimo disse...

Cristina,
Nunca me imaginei postanto comentários num blog de um desconhecido. Levei tempo decidida a não bisbilhotar histórias íntimas no mundo virtual e resistindo em expor-me na net.
Folheei uma CRIATIVA dia desses e me deparei com a sua história. Tem mais ou menos uma semana que acessei o seu blog. Tenho chorado sempre que acesso, tenho repensado os meus dias. Precisava te dizer o quanto me identifico com o que você escreve. Sinto um alívio bom, como quando escrevo (para mim) no meu diário - que ainda está no papel.
Queria te agradecer.
Abraços.
Lígia

Ana disse...

Cris
lendo seu texto me lembrei do exato momento em que soube que havia perdido meu grande amor, há 3anos e meio atrás. Exatamente esse turbilhão, essa esperança que se agarra ao último, de que seja mentira, de que ele esteja bem. Lembro de cada detalhe.. :( é triste demais querida.

redatozim disse...

Quando a Tetê deu a notícia e o Roger me falou, estava sentado em minha mesa. Não acreditei e liguei no cel do Gui até o Dani atender chorando e eu entender que era verdade. Acho que o fone tocando sem parar era eu, não acreditando.

MANU AO PÉ DA LETRA disse...

Tenho vindo aqui todos os dias, desde o dia em que a minha irmã, especialista em blogs, falou-me sobre a natureza emocionante do seu. Sou dona de uma razão que excede em mto a emoção, mas confesso que meus olhos e coração não se conteram ao ler os seus tão bem elaborados posts sobre o AMOR. Vc fala nas entrelinhas, que aliás aprendi, são linhas que suscitam outras linhas. Vc toca com palavras ... vc conta como se não contasse ... fala do AMOR de maneira linda e intensa.
A sua alma fala. A gente consegue sentir.
E se eu fosse o Cisco seria o filho mais orgulhoso do mundo.
O seu poder transformaDOR é tanto que vc conseguiu atribuir ao nome popular do seu filho, o apelido mais particular visto por mim.

Abraços cheios de força espiritual pra vc! Ler sua história tem me feito reconstruir a minha. Minhas dores tornaram-se coadjuvantes comparadas as suas.

Kika disse...

...Eu me lembro de finalmente conhecer o que seria capaz de nos separar, o que seria capaz de me fazer desistir dele...

Cris, adoro como você escolhe as palavras como se escolhe frutas! Com toda uma delicadeza que é impar!

Desistir não é esquecer e isso você emoldurou perfeitamente!

Em inglês há um expressão que acho simples e perfeita "let it go"... algo como "deixar partir...

Mas isso não é esquecer.
Seria, talvez, soltar a mão...

E continuamos com nossa urgência de viver, com nossa sobrevivência.

Belíssima!

Kika

Anônimo disse...

Cris, tenho certeza que seu blog vai virar um livro. E que o livro vai vender muito. E que o Cisco vai devorar.. e se emocionar.. e chorar.. e rir. E vai se orgulhar muito da mãe que tem. E vai ler de novo. E vai chorar de novo. E vai ter uma foto de vocês na contracapa. E quando ele tiver os filhos dele vai poder mostrar orgulhoso a mãe que ele teve. Benção de mãe! Vc escreve muito bem, uma verdadeira poeta. Beijos e tudo de bom p/ vc e p/ Cisco. Bianca

Sofia disse...

Você se lembra, e tem um jeito lindo e particular de lidar com isso. Parabéns, mais uma vez, sua Pequena Grande Mulher!

Anônimo disse...

Te "descobri" na revista Criativa... e como me emocionei e me emociono com sua história tão delicadamente contada...
Que Papai do Céu te conceda cada dia mais sabedoria pra cuidar do seu filhote lindo!
Nanda

Anônimo disse...

Impressionada com sua capacidade de seguir em frente, a vida é assim cheia de surpresas, você um exemplo de superação, de vida, de uma pessoa que ama a vida e seu filho. Parabéns por ter essa força, se filho é muito lindo!

Anônimo disse...

Não sei se conheces o blog em que o pai escreve para o filho: é mais prático e menos poético que o teu, mas transpira sentimento do mesmo jeito.
www.avidadomeufilho.blogspot.com
E sobre o post: enquanto lia, quase morri um pouco. LM.

Sayô disse...

"A borboleta não pode nascer e voar livre se a lagarta triste e rude não morrer e deixar seu casulo inerte."

Esse endereço abaixo é de um pai q escreve sobre sua filha, q tb VIAJOU...


http://www.flickr.mud.yahoo.com/photos/goga/122152555/in/set-1527769/

Ellen disse...

Cris,
Oi!

Eu sou nova por aqui... estive nas últimas semanas lendo cada palavra sua, e buscando absorver um pouco dessa sua força.

Uma amiga minha, que perdeu a mãe há pouco mais de um ano, foi quem me contou sua história.

E ontem mesmo eu estava com essa amiga, no Palácio das Artes, visitando a maravilhosa exposição do Gringo Cardia. Vi uma mulher que lembrava muito você. Eu disse: "Paulinha!! Olha!! Eu me lembrei da Cris! O que você faria se a encontrasse?"

Eu não sei como agiria, porque você é como mágica!

E até agora, tudo o que eu desejava lhe dizer, percebo que já foi dito em cada um dos comentários tão carinhosamente aqui escritos.

Você É vida!
Você nos traz vida!
E um intenso desejo de viver.
Ontem, hoje e a cada dia mais...

Paz. Amor. Força. Você e o Cisco já são parte do coração de cada um que passa por aqui.

Parabéns Pequena Guerreira!
E obrigada!
Ellen

Renata Rocha disse...

A unica coisa que consegui pensar apos ler esse texto: que voltade de dar um abraço na cris e no cisco e dizer que tudo ficará bem...
Sinta-se abraçada por mim querida.
Um beijo no coração dos dois.

Clara disse...

Cris, blog tem esses poderes de deixar todo mundo íntimo na primeira leitura... mas o que eu posso fazer se você ofertou a própria alma como texto? Estou encantada, emocionada e também curiosa pra saber como o Guilherme morreu.

Claudia Bosa disse...

Oi, Cris.
Ontem te conheci, hoje já li tudo por aqui, ri, me emocionei, chorei. Seu blog é lindo. Nossas histórias são imensamente diferentes, mas com algumas pequenas coincidências. Algumas datas, a profissão... mas certamente, a maior delas, é um bebê em nossas vidas. A minha boneca chegou 3 meses antes do seu Cisco e trouxe com ela um amor que eu não sabia que existia.
Sorte e sanidade na sua estrada, bonita.

Anônimo disse...

Ai que eu queria tanto que isso virasse livro...bem que podia, né Cris!
O blog é para o Francisco mas você também faz tanto bem para um monte de gente.
bjs

Fabiane disse...

Chorei...tentei dividir com vc a dor! Depois sorri..... descobri que dor pode rimar com dor, mas casa muito bem com gana de viver!
Bjs em vc e Cisco!

Eu sei disse...

Queria chorar... mas não consigo... Pq?? Pedra!?

Quem sabe um dia... tenho medo de sentir esse turbilhão e então... chorar de verdade e sofrer...

Um bjo viciado!!!
Um bjo inspirado!!!!!!

patricia MERLO disse...

Pra vc Petit!
"E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar. Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz. Aprendi que cada nada, serve de luz para iluminar o caminho dos demais. Aprendi que os sonhos são somente para fazer-se realidade. E desde aquele dia, já não durmo para descansar...
Agora simplesmente durmo para sonhar. "
Walt Disney
afagos!

Anônimo disse...

Olá sou Portuguesa e desde que li o teu blog pela primeira vez não deixei mais de acompanhar.
Que historia de amor mais linda , que filho lindo .
Queria só deixar 1 beijo grande ao a ti e ao Guilherme .
Custumo espreitar o hoje vou assim, acho sempre que há 1 promenor espetaculo ou é os sapatos ou a mala ou um cinto sempre surprende ..continua assim a surprendernos, e a fazer-nos acreditar que é possivel amar e ser retribuido na mesma intensidade -É o que sinto quando passo aqui no teu cantinho.

Amélie disse...

"Te conheci" ontem, e desde então não paro de pensar em coisas como delicadeza, intensidade, vida, luta, força, valor, amor... coisas que a gente não consegue mensurar, pegar, comprar ou vender mas que algumas pessoas tem o dom de nos presentear simplesmente sendo como são, falando do que sentem, nas linhas e nas entrelinhas. Você tem esse dom.
Eu estava de saída ontem à noite quando topei com o teu blog. Me atrasei, chorei, sorri, senti. E estou lendo desde o início essa tua maneira linda de fazer o pai presente na vida do teu filho. A minha história em nada parece com a tua (com a excessão de que sou formada em publicidade, rsss...) mas ainda assim vc falou comigo sobre coisas e sentimentos tão meus, alguns que precisei retomar, outros que estão saindo pelos meus poros, e eu queria te agradecer. Obrigado por ser forte, por lutar encarando de frente e falando sobre tudo o que sente, obrigado por me fazer sentir tudo o que eu venho sentindo lendo os teus textos. Desejo tudo de melhor e mais lindo pra vc e para o Cisco (não deve ser nada difícil se apaixonar por este garotinho :)

Psicologia Infantil disse...

Seu blog é lindo...me emocionei lendo os post...que história de amor linda!! Tem casais que envelhecem juntos e não experienciam a delicadeza, a sutileza de estar junto e se bastar...poxa, parabéns por ter vivido isso e por ter uma sementinha linda desse amor....
Beijoksss

Manuela disse...

Só quem passa por um momento assim sabe exatamente o que vc sentiu...

Perdi meu ar lendo isso aqui.
Pude sentir tudo que já senti novamente, a 13 anos atrás...

Mas vamos p/ frente!

Bjão.

Aline disse...

a hora da dor é a consciência.
e contra a dor do fim da inocência não há analgésiso que dê jeito.

Daniela disse...

eu nunca sei o que dizer qdo leio seus posts. tudo parece tao...desnecessário, pequeno, insuficiente.

Você é forte. E tao delicada.

Que lindo e triste tudo isso.

Aline disse...

encontrei seu blog hoje e já devorei todos os textos. é complicado me derramar em elogios, pq vai ficar parecendo uma puxa-saco que queria escrever tão bem como vc (sou redatora e amei seu estilo). mas é mais que isso. sabe quando vc vê mais do mesmo com uma nova perspectiva? e hj eu fiz um favor pra minha mãe sem suspirar. e passei meia horinha do almoço conversando com meu pai. e liguei pro namorado pra dizer q mesmo depois de menos de 24 horas, a saudade estava demais. o viver intensamente não vai mais ficar pra amanhã. obrigado por isso.

Lisley disse...

Com você aprendi a importância de colocarmos pra fora tudo o que sentimos e o bem que isso nos faz... Quero um dia ser tão corajosa como vc, ainda chego lá. Mais uma vez obrigada por dividir suas emoções. Um abraço.

Anônimo disse...

Oi, li o teu blog por recomendação da Ale Chang e simplesmente fiquei muito emocionada, foi umas das coisas mais lindas q já vi na minha vida. uma grande demonstração de amor. Espero que não se importe, inclusive comentei no meu blog. Não te conheço pessoalmente, mas já deu pra perceber o grande ser humano que és.Beijo pra ti. ah, se quiser olhar, meu blog é: http://carina-tibe.blogspot.com/

Anadri disse...

Eu te leio. Eu te leio quando nao tenho nada pra fazer, em nada em que pensar. Mas tamb�m te leio quando a minha cabe�a est� cheia, quando meu cora�ao t� pequenininho, de medo, de saudade.
Te leio porque me encontro, te leio porque encontro for�a para lutar contra esse medo que sinto.
Te leio porque sinto amor, daqui, por voc� e pelo seu filhotinho. Sinto um amor assim SUPER DO BEM, de quem compartilha com voc� a sensa�ao de querer voltar atr�s, e de quem percebe que nao � um filme essa vida.
Leio porque gosto. Porque me faz sentir que, quando as pessoas compartilham o que sentem, a poesia invade o mundo.

Samantha Drawanz disse...

Hoje eu descobri teu blog, e aí liguei teu nome e as histórias que li ao da moça da entrevista da revista "gloss" (que logicamente era você). Entre acessos na página de outros blogs que acesso, fui até o "hoje vou assim" e apartir dele cheguei neste aqui. Só queria te dizer que to emocionada, teus textos são incríveis, acho que os mais lindos que já li, muito bom te conhecer por aqui, felicidades para o resto da tua vida e que essa tua inspiração nunca termine.
Esses são os votos, de uma nova admiradora que terás. E concordo com um comentário que vi aqui... Deves escrever um livro! To criando um blog (com bem menos conteúdo que esse, diga-se de passagem) e vou tomar a liberdade de colocar o teu em meus favoritos, espero não te chatear com isso, se não for do teu agrado, coloque um "PS" em agum texto próximo que passarei sempre por aqui para te ler!
Acho que era isso, já me estendi demais!
Beijos!

Vânia disse...

Somos imortais em nossos filhos.

Cris...vc não me conhece, mas agora eu te conheço um pouco...! Cheguei no seu blog procurando um guarda roupas pra comprar na internet. Maluco, né? Adorei o blog "hoje vou assim", e eis que cliquei no "Para Francisco". Me emocionei ao ver que aquela mulher descolada da moda, tem também uma força incrível e muita coragem. Li ontem tudinho, mas não consegui deixar um recado. Chorei muito ao ler sua historia e quero que saiba que me fez pensar muito a respeito da vida e das coisas.
Meu marido sempre diz que só somos imortais em nossos filhos. É neles que damos continuidade a nossas vidas, que vem de nossos pais, que vieram dos pais deles, e dos pais dos pais deles.
Ainda não temos filhos, mas estão nos planos! Porque tambem queremos ser imortais.
Suas palavras são incrivelmente tocantes. Parabéns pela fibra e pela mulher especial e cheia de luz que você é. Tenha certeza que o destino reserva algo muito especial pra voces dois.
Um grande abraço.

Michelle disse...

Só pedindo licença para a partir de agora ler e compartilhar das lindas historias de sua vida!!

Bjao para vcs!!

michelle

Anônimo disse...

Feliz foi o dia em que num domingo como qualquer outro me deparei com um artigo sobre moda na Revista de Domingo do Globo, e lá estava vc numa reportagem sobre o Filé, desde então acompanho bem de pertinho o que compartilha para o público, seja sobre moda ou de uma história triste, mas que transmite muita força e esperança para muita gente!

"Entre mim e seu pai, a vida. A morte. Entre você e seu pai, eu"

Vc não só escreve muito bem, mas escreve com a alma!
Me arrepio sempre e as lágrimas correm soltas!!!

Um grande beijo, muita fé em sua caminhada e Obrigada por trasmitir essa fé para todos nós!!!

Juliana V.

Anônimo disse...

Oi Cristina,
li a matéria sobre vc a algumas semanas e,desde então,leio sempre.
Fazem 3 anos e meio que eu perdi o grande amor da minha vida,meu melhor amigo.Qdo ele ainda tava comigo,eu sempre falava:"eu sei que tem gente q se ama como a gente,mas eu não conheço.",mas agora,eu "conheci" vc,a sua história,o seu amor.Esse amor raro.
Ainda dói muito,acho q não vai passar nunca,uma dor sem cura.
É a primeira vez que eu falo sobre isso.Mas acho que vc vai entender.
As vezes,ainda parece que foi ontem.Têm dias em que eu ainda sento no chão do banheiro e peço com desespero pra ele voltar.Têm dias em que eu sinto raiva,pq era pra gente ter ficado juntos pra sempre,pq ele me deu sonhos e depois foi embora de repente.Ele amava e admirava oq eu era,e eu tb,e é disso que eu sinto mais falta.Disso,e dos abraços.
Queria poder conversar com vc...te acho muito especial,por td oq vc escreve,e pelo oq vc faz pelo seu filho.
Um grande beijo pra vc e pro Francisco.
Lu.

Ana disse...

Me emocionei muito com toda sua história, com toda a coragem e força que você certamente tem, embora vc possa ter lido e escutado muitas vezes que é uma inspiração, fica mais um registro, será pra mim também.

O outro blog: hoje vou assim, também é tudo de bom e de bonito...

bruna disse...

Já faz algum tempo que eu visito seu blog. E em todo esse tempo, venho tentando fazer uma comentário que realmente transmita tudo o que eu sinto cada vez que leio vc falando do Cisco, do Guilherme ou de você.
A primeira vez, eu chorei muito, mas foi um choro bom, bonito... emocionado.. vc tem uma força incrível e acabou se tornando meu exemplo de persistência na vida, de força e de amor à mesma. Pessoas com essa sensibilidade que vc tem, hj em dia são raras. Quando li tudo que vc passou, confesso que me envergonhei, porque às vezes, por coisas pequenas tenho vontade de desistir.
Vc é uma mulher de fibra e o Cisco tem muita sorte de poder contar com vc pra ensinar as maravilhas e as "desbelezas" do mundo. Ele tem muita sorte porque vai aprender a sentir de um jeito muito mais especial e vai aprender a levantar mesmo depois de ralar os joelhinhos no cimento.

Um grande beijo com muito amor, carinho e admiração. Estão presentes todos os dias em minhas orações. Vcs dois me conquistaram.. E eu sei que muita coisa boa ainda vem por aí.
Até logo!