sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Minha vida, meus mortos, meus caminhos tortos.

Foi no final do ano passado. Eu comprava um presente de Natal e a vendedora sugeriu que eu participasse de uma promoção do shopping. Expliquei que não podia, pois trabalho na agência de publicidade que atende ao shopping. Ela rapidamente sugeriu: "Coloca o cpf da sua mãe". Expliquei que não tenho mãe. A coisa começou a tomar um rumo tragicômico quando ela sugeriu "Então coloca o cpf do seu namorado". Fui rasgada na resposta: "Morreu também". Insegura e já fechando a cara, ela tentou: "Seu pai?". "Morreu todo mundo", respondi rapidamente. Confesso que de vez em quando sou meio cruel. A mulher não olhou mais no meu rosto e ficou séria. Deve ter achado que era uma brincadeira de mau gosto. Sorte dela que eu não contei a história toda.

Por muito tempo, também achei que essa era uma brincadeira de mau gosto. Mas de vez em quando, filho, é bom sair um pouquinho de dentro da gente e ver as coisas pelo lado de fora. É até divertido.

27 comentários:

A-N-A disse...

Descobri seu blog atraves de uma amiga e fui lendo, lendo e não consegui parar mais.
Parabens pela sua luta diaria de deixar para seu filho esse legado tão lindo, que é a estoria do pai dele a estoria de vocês todos.
Um bj! Ana

Juliana disse...

Olá Cristiana, conheci seu blog ontem. Tive que interromper a leitura no meio, as lágrimas começaram a cair...Eu também não conheci minha mãe, pois ela morreu quando eu tinha 3 meses de idade. Meu pai faleceu há dois anos. Li em algum comentário aqui do blog que Francisco não sentiria falta do pai porque não chegou a conhece-lo. Sim, ele sentirá falta do pai, como se sempre tivesse conhecido. Aconteceu comigo. Em momentos importantes da vida, eu sempre lembrei de minha mãe, conversava com ela baixinho e contava a falta que ela estava me fazendo. Em alguns momentos gritava: MÃE!!!, achando que ela poderia me ouvir de algum lugar. E tenho certeza que ela ouvia. Assim como tenho certeza que ela mexeu os pauzinhos para me dar a família maravilhosa que tenho hoje em dia. Tenho 35 anos, um marido maravilhoso e três filhos lindos e saudáveis. Sou muito feliz. E Francisco também será! O pai será sempre seu anjo da guarda, assim como minha mãe foi minha. Até hoje, quando preciso de força, além de rezar pra Deus, rezo pra minha mãe. Peço pra ela dar uma forcinha e sou sempre atendida. Francisco também será assim, guiado pelo Pai! E nunca se esqueça de uma frase: "Deus só dá o que você pode aguentar". E vc aguentou. A tempestade acabou. Aguarde a bonança, tenho certeza que ela virá!
beijos

Bianca disse...

Olá, minha mãe comprou a Gloss ontem, e hoje a tarde comecei a ler as reportagens. A sua me chamou a atenção. Vim correndo pra internet pra conhecer o blog e li todos os posts sem parar. Você me inspira a ter coragem, mesmo eu sendo uma pessoa que não tem muitas dificuldades. Fiquei feliz por você ter essa força e querer mostrar tudo de bom do amor ao seu neném. Com certeza ele será uma pessoa muito feliz. Favoritei o blog e até me inspirei a fazer um, porque também gosto de escrever.
Um beijo grande, Bianca

Fernanda França disse...

Além de muito bonita e de ter um ótimo gosto para roupas, te descobri aqui, com essa escrita maravilhosa e sensível. Obrigada por compartilhar com as pessoas essas palavras. Beijos, Fernanda - www.fernandafranca.com

Anônimo disse...

Olá, conheci seu blog faz três dias.
e faz três dias que fiquei pensando em você, no Francisco ( mesmo nome de meu pai, que acho lindo).
Quando vim aqui pela primeira vez, li tudo, de pronto, não consegui parar.
Indiquei para minha filha, que igualmente ficou fascinada.
E ainda estou atordoada com sua história , com essa forma mágica, linda, de vc contar as coisas, de por para fora esses seus sentimentos.
O seu amor foi um homem abençoado por tê-la conhecido e por tê-la escolhido para ser a mãe do filho dele.
O seu filhinho também é um garotinho abençoado. Ele perdeu o pai, mas tem uma mãe maravilhosa, forte e guerreira.

Bianca disse...

Olá, estou eu aqui denovo.
Como disse que iria fazer um blog, vim te avisar que você realmente me inspirou.
:)

sylnier disse...

oi,linda sempre!!!!
estou viciada e vidrada nos teus blogs...
já tentei deixar comentários ,mais sou meio atrapalhada, sabe? kkkkk
Se tudo der certo, esse chega!!!!
beijos..

sylnier disse...

Consegui!!!! Oba!!!!!
beijão,
hum... gostei disso, agora vc vai enjoar de mim, kkkkk

ale disse...

Bom humor é tudo nessa vida. Tu é ótima, menina!

Naty Nathália disse...

Cris!!!!

Ainda bem que vc existe pra acrescentar em nossos dias!!!!

Tenha um otmo fim de semana!!!

Te adoro...Bjao pro Cisco

Anônimo disse...

cris, vc é maravilhosa.

Larissa disse...

Lindo demais seu blog... bjs e mtos bjs no Francisco

fran disse...

vc é sentimento.
Sentimento em forma de pessoa.
obrigada por compartilhar tudo isso conosco.

Anna Domingues disse...

Parabéns por esse blog maravilhoso, que prendeu a minha atenção esta manhã.Que sua luta continue inspirando vidas, como a minha e a de todos que buscam por sensiblidade.
Vou continuar lendo e linkei seu blog no meu.
Beijos pra você e pro seu baby!

Maria dos Açores® disse...

É verdade Cris, por vezes acontece-nos coisas que mais parece tiradas de um filme e que no momento nem nos damos conta, mas que tempos depois até tem piada... até consigo imaginar a cara da moça...
Um beijo com muito amor para ti e para o Cisco

Débora disse...

Olá! Entrei por acaso por aqui e amei. Me tocou de verdade. Até coloquei nas indicações do meu blog. Já pensou em transformar tudo isso em um livro? espero que sim.
Beijo enorme. Foi um prazer, de verdade

Michele disse...

Acho que nunca li um blog tao verdadeiro, transparente e que transmita tanto amor como esse.
Só o dono da dor sabe como dói. E cada um sabe a delicia de ser e continuar a ser como é.

Ju De Mari disse...

Eita, Cris, que viver não é mole, não. Bjos, Ju

rachel disse...

Acabei de ler todo o seu arquivo. Não consegui fazer outra coisa que não fosse devorar tudo o q vc escreveu, desde que descobri o blog. Nem imagino qtas vc deve ter ouvido isso e espero que ainda ouça mtas outras.

Vc escreve de uma maneira mto doce e mto delicada de td o que lhe acontece. Quem lê fica inundado do amor de vcs 3, esteja certa disso.

Qdo li Romeu e Julieta pela primeira vez, já era adolescente e sabia há mto q eles morriam no fim e não ficavam juntos. Me surpreendi chorando e torcendo para que o fim tivesse sido trocado por um passe de mágica, e que aquele casal terminasse a história 'felizes para sempre', ao contrário de td o que haviam me falado.

Com seu blog foi o msm. Me peguei querendo descobrir que vcs três estão, neste momento, deitados numa rede, ouvindo Marisa Monte e planejando o futuro.

Não pude deixar de dar pequenas risadas dos trechos tragicômicos da leitura inteira. Nos momentos em que chorei - não foram poucos - senti q estava te decepcionando, pq a sensação q tenho é q vc nunca quis deixar os leitores entristecidos com suas palavras. Mas não consegui, me desculpe.

Espero que o blog continue, eternamente. E que um dia palavras do Francisco venham se juntar às suas.

Pequena disse...

Rachel, agora foi você quem me fez chorar.

Lindo ler isso. Lindo demais.

amoporqueamo disse...

Eu gosto muito de observar o ser humano, e acho fantástico a maneira que as pessoas tem de transformar a dor em humor, ou transformar um pedaço dela em sorriso, um sorriso para Francisco, um sorriso pra vc e um sorriso maior ainda para o seu marido. Eu como ser humano me sinto no direito de me orgulhar de vc, pq faria o mesmo pelo meu filho (que um dia também se chamará Francisco) e faria o mesmo pela minha vida. Sei o mínimo de importância sobre o amor, mas sei que é o que mais importa. Da SUA força, criei coragem para fazer um blog para colocar pra fora o que me dói por dentro. Não sei se te agradeço ou se te parabenizo. Por via das dúvidas, Parabéns e Obrigada!
Bjos, bjos!

_prih disse...

Seu blog é lindo! Conheci sua história através da revista Gloss e decidi conferir seu blog e me encantei com teus post's..o modo como espressa teus sentimentos por teus dois amores, sejam eles onde estiverem, é algo diferente.
Eu com 15 anos ainda, não passei por nada parecido, com a perda de pessoas tão próximas e queridas. E fico imaginando se dou o real valor a minha família..e percebo que meus problemas que acho enormes, são pouquíssimos em relação a essa situação!Imagino como Francisco quando mais velho, irá se sentir ao conheçer esse blog, criado especialmente a ele, com muito amor..com certeza ficará orgulhoso de ter uma mãe como você.
Obrigada por compartilhar sua história aqui.
Vou acompanhar sempre que possível!
Beeijos em vc e Francisco.
Fiquem com Deus!

Marianne disse...

Cris, Como já foi dito aqui: sua história me atordoou. Desembarquei no blog há uns dez dias e desde então me pego pensando em você, no Cisco. Na história, no futuro. Foi impossível não fazer um paralelo com a minha vida. Dei graças a Deus pelo meu filho poder ter o pai, mas tambem fiz um pedido. Pedido de que um dia eu possa experimentar um amor tão lindo, tão completo - como é o seu amor pelo Gui e o amor do Gui por você.
Um beijo grande. Você nos inspira!

Zuzu disse...

É, Cris, como a Marianne disse eu gostaria de um dia viver um amor lindo e completo como o que você, Gui e Cisco vivem. É por isso que eu leio seu blog... alimenta as minhas esperanças, sabe... Me faz acreditar que uma amor assim existe.

Você realmente nos inspira!...

Com carinho.

Anônimo disse...

Cris,
conheci seu blog ontem. Mexeu muito comigo. Dormi pensando nele. E acredita que tive inveja de vc? Sou casada há 10 anos - tenho 33 anos, mas em algum momento nossa relação deixou de existir. Hoje temos uma barreira entre nós. Mas continuamos juntos, sabe-se lá porquê (medo?). Seu blog me fez querer lutar por isso. por uma vida inensa de emoções como a sua.

Isso que vc está fazendo pelo Francisco é maravilhoso! Perdi meu pai com 6 anos, e adoraria ter algo assim para conhecê-lo melhor. É que não tenho coragem de questionar a minha mãe sobre ele, sobre eles. Essa assunto virou um tabú para nós. Por ser algo muito doído, evitávamos de falar sobre isso. Só me lembro da minha mãe arrasada de saudades. Mas como eles eram juntos, o que ele pensava, como ele se sentia sobre mim, se tinha orgulho, se me amava, eu nunca vou saber. Tenho lembranças falhas, lembro-me mais da dor da perda do que da convivência. As vezes sonho que ele está vivo mas nos abandonou, não quer saber de nós. Acordo arrasada, mas não tenho coragem de falar sobre isso, nem com minhas irmãs, nem com minha mãe. Tudo que queria era uma fonte de informações como essa. De fazer um filme documentáio, como a Marina Person fez p/ seu pai, perguntar p/ todo mundo como ele era, porque era uma pessoa tão querida, como era seu jeito, o que gostava, etc. Mas cadê a coragem?
Parabéns!!!

Anna

mimi disse...

vim agradecer aqui também tua visita e tuas palavras, cris.
este teu post só confirma a minha impressão de que tu, e as tuas histórias, estão impregnadas do que existe de mais humano neste mundão véio.
venho sempre e torço por vocês. muitos upas, guria!

Pequena disse...

Anna, eu desejo que você consiga um dia falar sobre isso com sua mãe. Pode ser bom pra você e pra ela, quem sabe. Muito obrigada pela sua sensibilidade e por partilhar sua história comigo também. Eu me sinto privilegiada. Um beijo.